Caso Renan não é empecilho para CPMF, diz Bernardo

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse hoje que não considera a permanência do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) na presidência do Senado um empecilho para a aprovação da prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). "O presidente do Senado vai presidir a sessão. Nós temos de conversar é com os lideres e mais do que isso, com cada senador", afirmou.Paulo Bernardo informou que o governo federal não quer entrar nas questões internas do Senado. "O que nos queremos é que dentro daquilo que é razoável manter um diálogo com todos os parlamentares, partidos, lideranças, para fazer votar." Paulo Bernardo criticou a proposta dos empresários de acabar com a CPMF. "A Fiesp quer acabar com a CPMF, mas se a gente propuser acabar com a contribuição para o sistema ''S'' eles são contra. Então, eu acho que não podemos ter essa postura de que na sua casa, você faz as reformas, na minha deixa do jeito que está", disse.Segundo o ministro, o assunto da conversa que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá no final do mês com os empresários é a conjuntura econômica, "o bom momento que estamos vivendo" e divulgação das possibilidades de investimento do País. A idéia, explicou, "é ouvir dos empresários o que mais podemos fazer para melhorar mais este momento".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.