Caso Petrobras é 'incontrolável', diz Aécio

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) minimizou nesta quarta-feira, 12, a manobra de parlamentares da base aliada do governo para esvaziar a CPI Mista da Petrobras e não votar os requerimentos na sessão da última terça-feira. Segundo ele, o caso da Petrobras é "incontrolável", pois há investigações sendo feitas por outros órgãos, como a Polícia Federal e o Ministério Público.

ISADORA PERON, Estadão Conteúdo

12 de novembro de 2014 | 17h49

"Os fatos vão surgir, porque essa questão da Petrobras é incontrolável. Essa ação do governo pode limitar a vinda de A ou B no Congresso, mas a maioria das investigações está ocorrendo, inclusive fora do Brasil", disse, em referência ao fato de o Departamento de Justiça dos Estados Unidos e a SEC, principal agência reguladora do mercado de capitais americano, estarem apurando as irregularidades na estatal.

Na semana passada, Aécio se irritou com seus aliados depois que eles fecharam um acordo na CPI para não convocar agentes políticos para depor na comissão.

Na reunião de ontem, o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) afirmou que nunca houve nenhum entendimento nesse sentido e disse que o PSDB estava disposto a aprovar todos os requerimentos possíveis, inclusive para convocar o laranja do doleiro Alberto Youssef, Leonardo Meirelles, que acusou os tucanos de também terem recebido propina da Petrobras.

A sessão de terça, porém, foi encerrada sem que nenhum requerimento fosse votado, sob gritos de protesto de parlamentares da oposição.

Tudo o que sabemos sobre:
CPIPetrobrasbase aliadaAécio Neves

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.