Caso de Sars deixa 70 de quarentena em Cingapura

O Ministério da Saúde de Cingapura recomendou que 70 pessoas fiquem em quarentena, após terem mantido algum contato com um cidadão taiuanês diagnosticado com a Síndrome Respiratória Severa Aguda (Sars). O pesquisador taiuanês, de 44 anos, visitou o país entre os dias 7 e 10 de dezembro para participar de um seminário no Instituto de Pesquisa Ambiental e de Medicina Defensiva. Os cidadãos que tiveram contato com o cientista ficarão isolados até 19 de dezembro e serão consultados, por telefone, três vezes ao dia para informarem se desenvolveram algum sintoma da doença.A Organização Mundial de Saúde (OMS) informou que o pesquisador de Taiwan pode ter sido infectado pelo vazamento de uma amostra da Sars de um tubo de testes. O cientista viajou para Cingapura antes de manifestar sintomas da doença, que surgiram apenas quando ele retornou a Taipé. Segundo a OMS, não havia planos de identificar os passageiros dos aviões usados pelo cientista.Além do pesquisador, as autoridades de Taiwan colocaram membros de sua família e colegas que trabalhavam com ele em quarentena. O caso de SARS foi o primeiro desde que Taiwan foi tirada da lista de áreas infectadas, em julho.Os médicos temem que a doença, que contaminou 8.098 pessoas no mundo e matou 774 pessoas, volte a gerar contágios durante o inverno no hemisfério Norte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.