Caso de Maluf se assemelha ao de ex-ditador da Nigéria

O "Affair Maluf", como está sendo chamado o caso do ex-prefeito na Suíça, está despertando uma grande curiosidade entre funcionários do governo, consultores financeiros e advogados em Genebra. O motivo são as suspeitas de que o caso envolva os mesmo atores e o mesmo roteiro que outro grande escândalo de lavagem de dinheiro no país: o do ex-ditador da Nigéria, general Sani Abacha, que está sendo investigado pelas autoridades suíças. Segundo um funcionário do governo de Berna, Abacha, que governou a Nigéria entre 1993 e 1998, manteve uma conta no Citibank de Genebra até 1996, quando transferiu seus ativos para o paraíso fiscal de Jersey. Coincidência ou não, esse parece ter sido o roteiro do dinheiro de Maluf.Além das referências ao Citibank, outra coincidência é o suposto envolvimento da consultoria financeira HBK e do escritório de advocacia Brunschwig Wittmer, ambos de Genebra, tanto no gestão dos ativos de Sani Abacha como no caso Maluf. Contatado pela Agência Estado, o diretor da HBK, Al Caluti, nascido no Kuwait, se recusou a comentar o assunto. Jacques Wittmer, do escritório de advocacia, adota postura similar de sequer confirmar se conhece o ex-prefeito de São Paulo. Mas, perguntado se estava acompanhando o noticiário sobre Maluf na imprensa, Wittmer afirmou: "É difícil acompanhar o que ocorre com todos nossos clientes".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.