Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Caso de Flávio pode preocupar Bolsonaro como pai, mas não o governo', diz Mourão

Atual presidente em exercício reiterou que a polêmica não irá influenciar negociação da reforma da Previdência no Congresso

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2019 | 20h00

BRASÍLIA - Ao deixar o Palácio do Jaburu no primeiro dia como presidente em exercício, nesta segunda-feira, 21, Hamilton Mourão voltou a falar que o caso envolvendo as movimentações financeiras do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, não afetam o governo.

"O governo não. Pode preocupar o presidente como pai em relação ao filho, todos nós nos preocupamos com nossos filhos, que talvez é isso aí, pesar de ele não ter me dito nada a respeito", disse, ao ser questionado se o silêncio do presidente sobre o caso de Flávio Bolsonaro preocuparia. 

Além disso, Mourão negou que a polêmica influencie o governo na negociação da reforma da Previdência no Congresso. 

Mais cedo, o vice-presidente chegou a afirmar que decreto que autoriza a posse de armas de fogo, uma das principais promessas de campanha do presidente Jair Bolsonaro, não é visto por ele como uma medida de combate à violência, mas sim "cumprimento de promessa de campanha e que vai ao encontro aos anseios, em grande parte, de parte de eleitorado dele". 

Bolsonaro está em viagem a Davos, na Suíça, para o Fórum Econômico Mundial, devendo retornar a Brasília no início da madrugada de sexta-feira para ser operado em São Paulo na próxima segunda-feira, 28, para a retirada da bolsa de colostomia. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.