Caso das Ilhas Cayman reforça sentença contra banqueiro

Segundo juiz De Sanctis, Dantas e irmã foram acusados de fabricar e manipular documentos em processo

Moacir Assunção, O Estadao de S.Paulo

04 de dezembro de 2008 | 00h00

Para demonstrar que o banqueiro Daniel Dantas já teria tentado confundir a Justiça em outras ocasiões, o juiz Fausto Martin De Sanctis citou decisão do Tribunal Superior das Ilhas Cayman. Nesse despacho, de 31 de maio de 2002, o desembargador J. Kellock acusa Dantas e sua irmã Verônica de fabricar e manipular documentos para tentar vencer ação contra um ex-sócio, Luís Roberto Demarco Almeida.No processo, Kellock classificou como "incompreensível e contraditório" o depoimento de Dantas e Verônica à Corte. "A incapacidade de Dantas e da irmã dele para fornecer uma explicação coerente do modo como a fórmula foi destinada para o trabalho contribuiu para a minha conclusão de que o contrato verbal com o requerente nunca foi feito. Também me levou à conclusão de que as provas oferecidas por Dantas e sua irmã foram fabricadas e são falsas", anotou o desembargador em sua sentença. Kellock acabou rejeitando os depoimentos. "A meu ver, o Juízo foi deliberadamente enganado pela autora (o Opportunity) e a liminar não deveria ter sido concedida."A empresa de Dantas acabou condenada a pagar indenização a Demarco por danos decorrentes da rescisão de um contrato, no qual se comprometera a adotar um time, o Esporte Clube Bahia, para ações de marketing. A empresa recorreu e o recurso foi rejeitado pela Corte de Apelações das Ilhas Cayman."O juiz J. Kellock acusou Daniel Dantas e sua irmã baseado meramente em sua opinião, sem que houvesse qualquer evidência de fabricação ou manipulação de documentos", reagiu a assessoria do Opportunity. "Esta ação acabou em 2006, com a decisão do Privy Council, a mais alta Corte Inglesa, que apesar da decisão favorável a Luís Roberto Demarco Almeida, fez diversas críticas ao juiz J. Kellock, afirmando que ele teria se referido equivocadamente a documentos falsos, tomou decisões incorretas e rejeitou provas importantes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.