Caso Arruda é 'abacaxi difícil de descascar', diz Nonô

Ex-deputado federal por Alagoas será o relator do processo displinar do DEM contra governador do DF

Ricardo Rodrigues, da Agência Estado,

02 de dezembro de 2009 | 19h39

"É um abacaxi difícil de descascar." Foi assim que reagiu o ex-deputado federal por Alagoas e presidente estadual do Democratas, José Thomaz Nonô, quando questionado sobre o processo administrativo disciplinar contra o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda. Nonô disse que ficou sabendo na noite de terça-feira, 1º, que seria o relator do processo. Ele admite que será uma tarefa difícil, mas que irá colaborar com o partido. O ex-deputado alagoano substitui o deputado José Carlos Machado (DEM-SE), que desistiu da indicação de ser o relator do caso Arruda.

 

Veja Também

lista Leia tudo o que foi publicado sobre o mensalão no DF

blog  JOÃO BOSCO acompanhe o caso; veja vídeos, oração da propina e mais 

especial Entenda as acusações contra o governador do Distrito Federal

documento Leia o inquérito da Operação Caixa de Pandora

linkArruda é alvo de quatro pedidos de impeachment no DF

linkCNJ apura ligação entre Arruda e desembargadores

Nonô disse que tudo que está sabendo sobre o caso é o que vem sendo divulgado pela imprensa e prometeu ser célere na análise do caso. "Não quero imprimir juízo de valor, mas posso dizer que as acusações são graves", ponderou. Ele disse também que viaja amanhã para Brasília, onde deve se reunir com a cúpula do partido e ter acesso a novas informações. "Como não sou de fugir da luta, quando o convite foi feito para eu relatar o caso, não tinha outra alternativa senão aceitar a missão."

Para o ex-deputado, qualquer opinião sua nesse momento poderá prejudicar seu relatório. "Tenho sido prudente nas declarações para não dar a entender que estou querendo infamar ou minimizar as acusações", afirmou Nonô, que nas eleições de 2006 disputou o cargo de senador por Alagoas, mas perdeu a disputa para o ex-presidente Fernando Collor (PTB-AL).

José Roberto Arruda é acusado de ser o chefe de um esquema de arrecadação de propina entre empresários e distribuição do dinheiro para deputados distritais, secretários e assessores. O vice-governador do Distrito Federal, Paulo Octavio, também é citado como beneficiário do esquema. A investigação é conduzida pela Polícia Federal com aval do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Tudo o que sabemos sobre:
mensalao DFDEMJose Thomaz Nonorelator

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.