Casamento com PSDB está em crise, admite Maia

O presidente nacional do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), admitiu hoje uma crise na aliança com o PSDB por conta do impasse sobre a indicação do candidato a vice do tucano José Serra. Depois de uma reunião de três horas na capital paulista, líderes dos dois partidos não chegaram a um acordo e marcaram um novo encontro em Brasília, ainda hoje.

CAROLINA FREITAS, Agência Estado

29 de junho de 2010 | 18h15

"O casamento está em crise, mas todas as crises precisam de maturidade para que possam ser superadas", afirmou Maia, ao deixar hotel em São Paulo, onde conversou com o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

O PSDB propôs o nome do senador Álvaro Dias (PR) como vice de Serra. O DEM, no entanto, mesmo depois da reunião de hoje, segue determinado a indicar um democrata para o posto. Para o senador José Agripino (DEM-RN), que também participou da reunião, as conversas de hoje representam um recomeço das negociações. "Aguardamos por parte do PSDB a sugestão, zerado o jogo, de um encaminhamento novo, com novos nomes", afirmou.

Maia, que segue para Brasília, disse que o DEM tem "muitos nomes" para indicar para a vaga de vice. "O PSDB indicou Serra. Nós entendemos que os democratas, independentemente do nome, devem indicar o vice, porque isso gera unidade, palanques fortes e pessoas empolgadas em todos os Estados", afirmou.

Apesar das rusgas, o presidente do DEM esforçou-se para mostrar disposição em manter a aliança com o PSDB. "O DEM tem toda a vontade de estar nessa aliança. Nós queremos indicar o vice porque acreditamos na vitória de Serra. Por isso, vamos esgotar todo o diálogo para que amanhã o DEM possa fazer a convenção e apoiá-lo", disse Maia. "A unidade de verdade significa o PSDB mostrar ao DEM que entende a importância de nosso partido na vaga de vice. No final, vamos ter um bom entendimento. Espero eu", acrescentou.

O DEM faz amanhã, em Brasília, a Convenção Nacional da sigla, data limite para decidir se apoia ou não o candidato do PSDB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.