Casagrande quer rediscutir royalties do petróleo

O governador eleito do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), afirmou hoje que pretende incluir quatro assuntos na agenda de discussão com o governo federal de Dilma Rousseff (PT), eleita ontem em segundo turno: partilha dos royalties de petróleo, obras de infraestrutura, implantação do Sistema Nacional de Segurança Pública e saúde.

ERNESTO BATISTA, Agência Estado

01 de novembro de 2010 | 17h47

Ele disse que estes são assuntos prioritários para o Estado, mas não descartou a possibilidade de resolver ao menos a discussão sobre a partilha dos royalties ainda no governo Luiz Inácio Lula da Silva.

"A solução sobre os royalties de petróleo ainda está pendente. Espero que o presidente Lula resolva até o final do ano, porém, se isso não acontecer é um assunto para a agenda do próximo ano. Dilma já acompanha este assunto a mais tempo e tenho certeza que vai nos ajudar na coordenação do entendimento", afirmou.

Em relação às obras de infraestrutura, Casagrande disse que o Espírito Santo tem muitas necessidades e que vai buscar os recursos dentro das responsabilidades do governo federal. Ele listou como obras prioritárias a ampliação do aeroporto de Vitória, as reformas das rodovias BR-101 e BR-262 e a modernização e dragagem do porto de Vitória.

De uma maneira mais ampla, Casagrande disse ainda que quer entrar em discussões nacionais, como um programa de implantação do Sistema Nacional de Segurança Pública e uma atuação mais direta da União na saúde.

Composição

O novo governador capixaba também afirmou que vai manter a promessa de fazer esforços para levar o seu aliado Paulo Hartung (PMDB) para compor o governo federal, apesar de reconhecer que ainda não há discussões abertas sobre a equipe de Dilma.

"Não sei se, de fato, Hartung quer ir para o governo federal, mas vou fazer esforço e ajudar a levá-lo para compor o novo governo. Hartung é do PMDB, mas faz parte da chapa que me elegeu, e se eu fosse o presidente da República eleito, eu o chamaria para compor porque hoje ele é um dos governadores mais bem avaliados do País e tem muito para contribuir", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.