Rodrigo Menezes/Agência O Dia
Rodrigo Menezes/Agência O Dia

Casa de Cabral em Mangaratiba vai a leilão por R$ 8 milhões

Há mais três veículos, orçados em R$ 436 mil, uma moto aquática, avaliada em R$ 45 mil, um jetboat, de R$ 50mil, e a lancha Manhattan

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

25 Agosto 2017 | 20h16

RIO - Um dos símbolos do governo Sérgio Cabral Filho (PMDB) no Rio, sua casa no Condomínio Portobelo, em Mangaratiba, vai a leilão no próximo dia 3 de outubro pelo preço mínimo de R$ 8 milhões. A decisão é do juiz da 7ª Vara Federal Criminal, Marcelo Bretas, que resolveu leiloar alguns dos bens mais valiosos do peemedebista. Ele está preso desde novembro passado, acusado de corrupção e lavagem de dinheiro.

+ Carros de ex-secretário de Cabral são leiloados por R$ 263,9 mil

+ Justiça marca primeiros leilões com bens apreendidos pela Lava Jato

Outro bem cuja propriedade é atribuída  a Cabral e vai a pregão é a lancha Manhatan. Oficialmente, a embarcação pertence à empresa MPG Participações, controlada por Paulo Fernando Magalhães Pinto, ex-assessor do peemedebista e apontado como operador do ex-governador. Mas a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) dizem que o ex-governador é o verdadeiro dono do barco.

Na lista de bens a serem leiloados, também há três veículos. São dois jipes da marca Mitsubishi. Um está registrado em nome do Coelho e Ancelmo Advogados (escritório da mulher de Cabral, Adriana Ancelmo), avaliado em R$ 120 mil); outro é da própria Adriana e foi avaliado em R$ 240 mil. Há ainda um Hyndai Azera, pertencente a  Cabral, avaliado em R$ 76 mil.

Será posta em leilão também uma moto aquática, da marca Seadoo, modelo 2012, avaliada em R$ 45 mil, e um jetboat por R$ 50 mil.

No despacho em que determina o leilão, Bretas afirma que o lance mínimo permitido para arrematar os bens será o da homologação dos valores da avaliação, "acrescido de custas e demais consectários legais".

Se não for alcançado o valor mínimo, haverá, no  dia 11 de outubro, no mesmo horário e lugar, um segundo leilão. Nele, os bens poderão ser arrematados por valor não inferior a 80% do valor homologado.

O leilão será feito no Foro da Justiça Federal Marilena Franco, na Avenida Venezuela, na zona portuária do Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.