Casa Civil reformula site e ministra Dilma Roussef fica mais visível

Embora a campanha de Dilma tenha sido antecipada, ministra estava para trás na propaganda na internet

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2010 | 22h10

A disputa presidencial está cada vez mais visível na internet. A Casa Civil reformulou seu site e passou a disponibilizar vídeos, discursos, fotografias, agendas e entrevistas da ministra Dilma Rousseff, pré-candidata do PT ao Palácio do Planalto. O banco de imagens do site contava até a tarde de segunda-feira, 8, com 51 fotos e 10 vídeos da ministra em eventos oficiais pelo País.

 

Veja como ficou o site da Casa Civil

 

Embora a campanha de Dilma tenha sido antecipada no ano passado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a ministra estava para trás na propaganda na internet. Nos últimos meses, outros presidenciáveis passaram a investir na rede. O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), já postou 1400 mensagens de até 140 caracteres no microblog Twitter, alcançando 163 mil seguidores. A senadora Marina Silva (PV-AC) e o deputado Ciro Gomes (PSB-CE) também entraram no Twitter. Na semana passada, Marina ainda lançou um blog.

 

As fotos exibidas no site da Casa Civil mostram Dilma Rousseff mais descontraída. Em uma dessas imagens, ela aparece com um boné vermelho na cabeça ao lado de moradores de um bairro pobre de Porto Alegre. A imagem guarda semelhanças com fotos tradicionais de viagens do presidente Lula pelos grotões. A Casa Civil conta agora com um fotógrafo oficial, Paulo H. Carvalho, responsável pelas imagens da ministra. Não há no site, no entanto, fotos de Dilma em eventos do PT.

 

A biografia de Dilma no site da Casa Civil é curta. Não há referências ao período da ditadura, quando ela participou da resistência ao regime militar. O breve currículo destaca que a "economista" formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul foi secretária da Fazenda de Porto Alegre, de 1986 a 1988, Secretaria de Estado de Energia nos anos de 1993 e 1994 e de 1999 a 2002 e ministra de Minas e Energia no governo Lula, de 2003 a 2005.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.