Casa Civil abriga esquema de propina, revela 'Veja'

Segundo revista, sócio de Israel Guerra e outros três funcionários receberam R$ 200 mil cada

estadão.com.br

18 de setembro de 2010 | 11h08

SÃO PAULO - Um episódio envolvendo pagamento de propina a um sócio de Israel Guerra, filha da ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra, revela um esquema de corrupção dentro do Palácio do Planalto, informa uma reportagem da revista Veja publicada neste sábado, 18.

 

Veja também:

especial Veja a íntegra da carta de demissão de Erenice para Lula

especial Leia o contrato feito entre empresa do filho de Erenice e a EDRB

especial Especial: o lobby da família Guerra

 

Segundo a revista, Vinicius de Oliveira Castro teria encontrado R$ 200 mil em seu gabinete. O dinheiro seria parte do pagamento por participação em um esquema de corrupção na compra do medicamento Tamiflu, comprado em caráter emergencial para o programa de tratamento da gripe A.

 

De acordo com a reportagem, Castro teria encontrado o dinheiro na gaveta de sua mesa e se surpreendido. Um colega teria explicado que aquela era a "conta" do sócio de Israel pela participação no esquema.

 

Castro disse ao tio, Marco Antonio Oliveira, então diretor de Operações dos Correios, que outros três funcionários da Casa Civil haviam recebido a mesma quantia.

 

Erenice deixou a pasta da Casa Civil na quinta-feira, depois de receber denúncias de tráfico de influência e lobby envolvendo seu filho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.