Casa Branca sonda Hospital Sírio-Libanês em São Paulo

Três representantes da Casa Branca visitaram na terça-feira, 6, pela manhã, o Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, para os preparativos de uma eventual situação de emergência durante a visita do presidente do EUA, George W. Bush, ao Brasil. O hospital foi um dos escolhidos pela comitiva americana para funcionar no esquema de apoio de saúde ao presidente e seus acompanhantes.O consulado americano não divulgou dados sobre como funcionarão os serviços de assistência médica, caso seja necessário, mas outros hospitais teriam sido sondados. Os três americanos que visitaram o Sírio-Libanês chegaram por volta das 10h30 e foram acompanhados por dois coordenadores da unidade. A imprensa não teve acesso à visita.Segundo funcionários do hospital - um dos mais conceituados do País -, os membros da comitiva de Bush pediram para conhecer a estrutura das áreas de pronto atendimento e internação do hospital.Como os demais preparativos para a visita de Bush, o esquema de apoio médico é repleto de segredos. Entre os veículos trazidos dos EUA para acompanhar a comitiva presidencial há uma equipe médica completa e uma unidade móvel de saúde, que seguirá o comboio.Boa parte da equipe já está no Brasil fazendo e refazendo planos exaustivamente. Pelo menos três hotéis servirão de base para os homens que virão acompanhando o presidente - o Hilton e o Grand Hyatt, na zona sul de São Paulo, e o Marriott, em Guarulhos.AeroportoTodos os funcionários desses hotéis foram cadastrados e investigados pela Polícia Federal (PF). No Marriott, ao lado do Aeroporto de Cumbica, foi improvisado um canil dentro do estacionamento para abrigar os cães pastores da equipe presidencial. Eles já estão no Brasil.O acesso aos hotéis nos dias da visita será restrito, caso a comitiva presidencial confirme em qual deles vai se instalar. Isso, no entanto, só será conhecido no dia da chegada do presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.