Carvalho fala a petistas 'de barbicha', diz Carlos Melo

Ao dizer que xingamentos contra a presidente Dilma Rousseff na abertura da Copa do Mundo, no Estádio do Itaquerão, não partiram apenas da "elite branca", o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, está falando para os petistas que há vinte anos usam "óculos redondos e barbicha", disse ao Broadcast, serviço de informações em tempo real da Agência Estado, o cientista político e professor do Insper Carlos Melo.

FRANCISCO CARLOS DE ASSIS, Agência Estado

19 Junho 2014 | 14h09

Melo diz que o ministro Gilberto Carvalho faz parte do diretório do PT há mais de vinte anos e é um homem experiente, mas é bem conhecido somente internamente. "Se você perguntar nas ruas quem é Gilberto Carvalho ninguém sabe. Por isso acho que ele está falando com a base social do PT, que anda de salto alto, achando que as políticas sociais são tudo e que não há o que melhorar ou corrigir no governo", disse.

Para o cientista político, como Gilberto Carvalho tem muita credibilidade internamente, pode estar querendo convencer alguns do PT de que é preciso "baixar um pouco a bola", reconhecer que há erros no governo que precisam ser reparados. É claro que, segundo o cientista, a oposição poderá usar as palavras de Gilberto Carvalho como antídoto toda vez que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aparecer na televisão "atacando a elite branca".

Mas a eventual utilização das palavras do ministro como defesa a possíveis ataques do PT à "elite branca" não deverá se traduzir como um tiro no pé da candidatura da presidente Dilma. "É mais um discurso para a base social do PT, que poderia migrar facilmente para a campanha do ex-governador do Pernambuco Eduardo Campos (PSB) por causa da ex-senadora Marina Silva, do que um mea-culpa público", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.