Carvalho defende proposta de mínimo de R$ 545

Ao defender a proposta de um salário mínimo de R$ 545, o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência, disse que o governo não fará "loucuras". Ele disse não entender a postura das centrais sindicais de quebrar o acordo da política do mínimo até 2023. "Isso não é brincadeira. O governo não está brincando. Queremos honrar nosso compromisso", afirmou.

LEONÊNCIO NOSSA, Agência Estado

10 de fevereiro de 2011 | 20h14

Carvalho disse que o debate do salário mínimo só ganhou força por causa da proposta "derrotada" do ex-candidato tucano à presidência em 2010, José Serra, de um salário de R$ 600.

"Estamos defendendo uma proposta vitoriosa, de R$ 545, que o povo escolheu", afirmou.

Ele disse que as queixas das centrais são legítimas. "A vida não termina no salário mínimo. Temos muitas outras questões para discutir com as centrais. Ele disse que o governo só irá discutir uma correção da tabela do Imposto de Renda após concluir a votação da proposta do salário mínimo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.