Carvalho: dado de cartões pode complicar mais ministros

O Palácio do Planalto começa a enviar os primeiros papéis pedidos pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Cartões Corporativos. Gilberto Carvalho, chefe de gabinete do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ressalta que o envio de documentos de ministros atuais ou do governo passado é uma determinação da CPI, avisando que não se trata de "conspiração". ?É muito provável que apareça coisa errada. O instrumento é falho e isto é do ser humano?, avisa ele. ?Assim como aconteceu com o Orlando (Silva, dos Esportes) e a Matilde (Ribeiro, da Igualdade Racial), é possível que haja problemas com ministros atuais e passados?, diz.?Não é tão extraordinário que erros administrativos sejam agora identificados.? Carvalho defende serenidade nas investigações. Ele relata que no governo há um esforço para atender aos pedidos da CPI e responder, com respeito, as acusações da oposição. O assessor do Planalto avalia que a análise dos dados deve ser feita com seriedade, sem animosidade de qualquer lado, para não prejudicar o País. Carvalho afirma que o governo não responderá a ?fatos políticos?. Questiona declaração de Fernando Henrique, que desafiou a abertura de todos os sigilos. ?O presidente Fernando Henrique sabe que há uma lei, do governo dele, que protege alguns dados por questão de segurança, o que estamos fazendo é obedecer a lei?, observa. ?Isso (o desafio) é jogada política e superficial de quem não tem projeto?, completa.?É fácil para FHC falar em tornar públicas suas despesas porque ele já passou pelo governo; nós temos responsabilidade e não vamos reagir a um fato político.? O assessor especial da Presidência, Marco Aurélio Garcia, disse que, se o governo de fato quisesse produzir dossiês contra FHC, o teria feito há muito tempo. Na entrevista, Carvalho diz que, deste ponto de vista, o vazamento de informações sobre despesas dos dois presidentes pode ser didático. ?É até interessante que tenham vazado dados de Fernando Henrique e do Lula, porque a gente vê que, a rigor, não tem nada o que esconder. A imprensa e a CPI vão poder verificar tudo o que está certo e o que está errado?, diz. ?Vamos cumprir o que a CPI determinou e fiquem atentos porque esta semana a investigação vai pegar. Vão ter um belo trabalho para se dedicar.? As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

31 de março de 2008 | 08h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.