Carta de Temer incentiva ala do PMDB a pedir destituição de líder

Leonardo Picciani (RJ) é principal nome do partido na Câmara representante da bancada mais alinhada ao governo

Igor Gadelha, Agência Estado

08 de dezembro de 2015 | 14h37

 

Brasília - A carta enviada nesta segunda-feira, 7, pelo vice-presidente Michel Temer (PMDB) à presidente Dilma Rousseff acentuou o movimento de parte da bancada do PMDB na Câmara dos Deputados no sentido de destituir o deputado Leonardo Picciani (RJ) da liderança do partido na Casa. Segundo peemedebistas ouvidos pelo Broadcast Político, Temer deu a deixa que faltava para intensificar o movimento de coleta de assinaturas que parte da bancada já vinha fazendo para tentar tirar Picciani do cargo.

No texto, Michel Temer relata uma série de episódios que demonstrariam a "absoluta desconfiança" que Dilma sempre teve e terá em relação a ele e ao PMDB. Um deles, citou, foi a última reforma ministerial, quando o vice-presidente reclama que Dilma "resolveu ignorar-me, chamando o líder Picciani e seu pai (Jorge Picciani) para fazer um acordo sem nenhuma comunicação ao seu vice e presidente do partido", para nomeação de dois ministros.

O peemedebista se referia aos deputados Marcelo Castro (PMDB-PI) e Celso Pansera (PMDB-RJ), emplacados por Picciani nos ministérios da Saúde e da Ciência e Tecnologia, respectivamente. "E a senhora não teve a menor preocupação em eliminar do governo o deputado Edinho Araujo (PMDB-SP), deputado de São Paulo e a mim ligado", escreveu Temer. Araújo era ministro dos Portos e foi trocado por Helder Barbalho, filho do senador Jader Barbalho (PMDB-PA).

Deputados da bancada do PMDB descontentes com Picciani passaram a colher assinaturas para tentar destituir o líder desde que ele sinalizou que só indicaria deputados pró-governo para a comissão especial na Câmara que dará parecer sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Para que consigam destituí-lo, eles precisam de 34 assinaturas, ou seja, de mais da metade dos 66 deputados do PMDB. Peemedebistas à frente do movimento dizem estar próximos de alcançarem esse número.

Deputados da ala contra o líder do PMDB estão procurando caciques do partido para pedir ajuda na mobilização. Nesta terça-feira, 8, pela manhã, o grupo se reuniu com Michel Temer para discutir o assunto. Caso se concretize, a saída de Leonardo Picciani pode representar mais um prejuízo ao Palácio do Planalto, que perderia controle da bancada do PMDB, a maior da Câmara dos Deputados, seguida pela do PT, com 59 parlamentares.

Mais cedo, Picciani avaliou que a carta enviada por Temer revela que o vice-presidente não queria o "fortalecimento da bancada". "Ele ficou incomodado. Ele fala contra a presidente ter conversado comigo e ter indicado os dois deputados ministros. E em todo momento não defende a posição da bancada, mas dos seus aliados pessoais", afirmou o deputado, ressaltando que, em nenhum momento, pediu que Dilma substituísse os aliados de Temer por membros da bancada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.