Carta de Temer incentiva ala do PMDB a pedir destituição de líder

Leonardo Picciani (RJ) é principal nome do partido na Câmara representante da bancada mais alinhada ao governo

Igor Gadelha, Agência Estado

08 de dezembro de 2015 | 14h37

 

Brasília - A carta enviada nesta segunda-feira, 7, pelo vice-presidente Michel Temer (PMDB) à presidente Dilma Rousseff acentuou o movimento de parte da bancada do PMDB na Câmara dos Deputados no sentido de destituir o deputado Leonardo Picciani (RJ) da liderança do partido na Casa. Segundo peemedebistas ouvidos pelo Broadcast Político, Temer deu a deixa que faltava para intensificar o movimento de coleta de assinaturas que parte da bancada já vinha fazendo para tentar tirar Picciani do cargo.

No texto, Michel Temer relata uma série de episódios que demonstrariam a "absoluta desconfiança" que Dilma sempre teve e terá em relação a ele e ao PMDB. Um deles, citou, foi a última reforma ministerial, quando o vice-presidente reclama que Dilma "resolveu ignorar-me, chamando o líder Picciani e seu pai (Jorge Picciani) para fazer um acordo sem nenhuma comunicação ao seu vice e presidente do partido", para nomeação de dois ministros.

O peemedebista se referia aos deputados Marcelo Castro (PMDB-PI) e Celso Pansera (PMDB-RJ), emplacados por Picciani nos ministérios da Saúde e da Ciência e Tecnologia, respectivamente. "E a senhora não teve a menor preocupação em eliminar do governo o deputado Edinho Araujo (PMDB-SP), deputado de São Paulo e a mim ligado", escreveu Temer. Araújo era ministro dos Portos e foi trocado por Helder Barbalho, filho do senador Jader Barbalho (PMDB-PA).

Deputados da bancada do PMDB descontentes com Picciani passaram a colher assinaturas para tentar destituir o líder desde que ele sinalizou que só indicaria deputados pró-governo para a comissão especial na Câmara que dará parecer sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Para que consigam destituí-lo, eles precisam de 34 assinaturas, ou seja, de mais da metade dos 66 deputados do PMDB. Peemedebistas à frente do movimento dizem estar próximos de alcançarem esse número.

Deputados da ala contra o líder do PMDB estão procurando caciques do partido para pedir ajuda na mobilização. Nesta terça-feira, 8, pela manhã, o grupo se reuniu com Michel Temer para discutir o assunto. Caso se concretize, a saída de Leonardo Picciani pode representar mais um prejuízo ao Palácio do Planalto, que perderia controle da bancada do PMDB, a maior da Câmara dos Deputados, seguida pela do PT, com 59 parlamentares.

Mais cedo, Picciani avaliou que a carta enviada por Temer revela que o vice-presidente não queria o "fortalecimento da bancada". "Ele ficou incomodado. Ele fala contra a presidente ter conversado comigo e ter indicado os dois deputados ministros. E em todo momento não defende a posição da bancada, mas dos seus aliados pessoais", afirmou o deputado, ressaltando que, em nenhum momento, pediu que Dilma substituísse os aliados de Temer por membros da bancada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.