Carta cita supostos desvios e revolta PC do B no RS

Uma carta de maio do ano passado aponta supostos desvios de recursos destinados a atividades esportivas da prefeitura de Alvorada (RS) para a campanha eleitoral da deputada federal Manuela D''Ávila (PC do B). O documento, apreendido pela Polícia Civil do Rio Grande do Sul durante a Operação Cartola, em julho deste ano, foi obtido pelo jornal Zero Hora e divulgado na edição desta quarta-feira. O partido considerou a denúncia "vazia e caluniosa". A parlamentar anunciou que vai interpelar o autor judicialmente.

ELDER OGLIARI, Agência Estado

19 de outubro de 2011 | 18h41

Em 6 de julho deste ano a Operação Cartola apreendeu documentos em oito prefeituras da região metropolitana de Porto Alegre, serra e litoral do Rio Grande do Sul, administradas pelo PMDB, PTB, PT, PP, PDT e PSB, em investigação de possível superfaturamento de serviços publicitários. Entre os documentos estava uma carta escrita a mão, com data de 5 de maio de 2010, pelo então diretor de Esportes de Alvorada, Marcio Taylor, e endereçado ao secretário de Esportes, Nelson da Silva Flores (PC do B), aparentemente sem conexões com o objeto da investigação.

No texto, que nunca teria chegado às mãos do destinatário e nem ao conhecimento do prefeito João Carlos Brum (PTB), o remetente cita a entrega de R$ 10 mil de sobras do programa Alvorada Olímpica ao secretário, num esforço para a pasta conseguir promover mais atividades. Na sequencia, diz ter ouvido o secretário afirmar que verbas seriam usadas para a campanha de Manuela. E pede para não ser exonerado. Posteriormente, Taylor foi afastado da diretoria de esportes e assumiu a direção de um ginásio municipal. Também deixou o PCdoB e ingressou no PRB.

O presidente estadual do PC do B, Adalberto Frasson, considerou que a divulgação da carta neste momento tenta aproveitar a polêmica que envolve o ministro dos Esportes, Orlando Silva, filiado ao partido, para atacar Manuela, candidata que lidera as pesquisas para a prefeitura de Porto Alegre, com uma questão local, de Alvorada. "Isso não é prática do PC do B e não tivemos nenhum recurso oriundo de Alvorada na nossa campanha".

Manuela admitiu ter tomado conhecimento da existência da carta por um jornalista. A deputada federal disse que consultou a polícia e foi informada de que o documento era "inexpressivo" e não havia gerado qualquer investigação contra ela. Também atribuiu o caso a uma "disputa rebaixada local". E anunciou que vai processar o autor (Taylor). "Ele será interpelado a responder civil e criminalmente porque é crime atingir a honra de qualquer cidadão". Taylor não está comentando o assunto. O prefeito de Alvorada e o secretário dos Esportes não retornaram as ligações da reportagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.