Cármen Lúcia oficializa transferência de Fachin para Segunda Turma do STF

Com a decisão, Corte já pode realizar sorteio para escolher novo relator da Lava Jato

Breno Pires, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2017 | 08h40

BRASÍLIA - O ministro Luiz Edson Fachin teve aceito seu pedido de mudança da Primeira Turma para a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), da qual o ministro Teori Zavascki fazia parte. É na Segunda Turma que muitas das ações e recursos relacionados à Operação Lava Jato são julgados. 

A mudança não quer dizer que Fachin assumirá automaticamente a relatoria dos processos relacionados à Lava Jato. O novo relator será decidido em um sorteio entre os cinco membros da Segunda Turma — Celso de Mello, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e, agora incluído, Edson Fachin. No entanto, abre caminho para a realização do sorteio, pois era o último trâmite burocrático pendente.

Para que a mudança fosse efetivada, a presidente do STF ministra Cármen Lúcia consultou os demais ministros da Primeira Turma. Por serem mais antigos na Corte, eles tinhama a prerrogativa de mudança, mas declinaram da transferência.

"Consultados os demais Ministros da Primeira Turma, conforme critério de antiguidade, estes declinaram da transferência, razão pela qual defiro o pedido do Ministro Edson Fachin, nos termos dos arts. 13, inc. X, e 19 do RISTF”, registrou Cármen Lúcia no despacho em que confirma a transferência.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.