DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Cármen Lúcia mantém relatoria de mandado de segurança de Aécio com Fachin

Presidente do Supremo não atende a pedido por redistribuição da defesa do senador mineiro

Breno Pires e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

03 de outubro de 2017 | 11h47

BRASÍLIA - A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, decidiu que o mandado de segurança da defesa do senador Aécio Neves (PSDB-MG), distribuído por sorteio para a relatoria do ministro Edson Fachin, deverá seguir com o mesmo relator. 

+++ 'Não haverá crise entre STF e Senado, vai surgir solução', diz Fux

+++ Senado desafia STF e vota caso Aécio hoje

Aécio quer a suspensão da decisão da Primeira Turma do STF que o afastou até o julgamento de uma ação no Supremo que trata da possibilidade de o Senado e a Câmara reverem decisões do STF sobre medidas cautelares alternativas à prisão, como as que foram determinadas contra Aécio na semana passada. Caberá agora a Fachin decidir.

+++ Para advogado de Aécio, recolhimento noturno é 'medida do AI-5'

Na segunda-feira, 2, a defesa do tucano solicitou a redistribuição da relatoria, alegando que Fachin já havia tomado uma decisão no caso, quando determinou, em decisão monocrática, em maio, o afastamento das funções parlamentares de Aécio. 

Fachin destacou, quando enviou o pedido de Aécio para análise de Cármen Lúcia, que a jurisprudência do Supremo não admite que terceiros questionem a relatoria de processos. A íntegra da decisão de Cármen Lúcia não estava disponível até a publicação desta reportagem.

Na terça-feira passada, 26, os cinco ministros da Primeira Turma do STF decidiram por restabelecer medidas cautelares que haviam sido determinadas pelo próprio Fachin em maio deste ano e que haviam sido suspensas por decisão de Marco Aurélio Mello no fim de junho. Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux votaram pelo afastamento e pela imposição do recolhimento domiciliar noturno, e Alexandre de Moraes e Marco Aurélio Mello contra.

Os ministros da turma foram excluídos do sorteio eletrônico que definiu a relatoria do mandado de segurança, já que a defesa de Aécio pretende suspender a decisão desse colegiado, que afastou o senador das funções parlamentares na semana passada.

SENADO

A previsão no Senado é de manter a votação sobre se aceita ou não o afastamento de Aécio para a tarde desta terça-feira, 3, que deve começar por volta das 16h. Há uma reunião de líderes marcada no gabinete do presidente do Senado Eunício Oliveira às 14h30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.