Carmen Lúcia, do TSE, deixa chefia de Escola Jurídica

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Ayres Britto, anunciou ontem que a ministra Carmen Lúcia renunciou à presidência da Escola Judiciária Eleitoral (EJE), em caráter irrevogável. Ao lamentar a decisão da ministra, o presidente da Corte afirmou que nos próximos dias levará ao plenário novos nomes para ocupar o cargo.

RICARDO VALOTA, Agência Estado

31 de março de 2010 | 14h43

Criada pelo TSE, a Escola Judiciária Eleitoral tem o objetivo de "formar, atualizar e especializar" magistrados da Justiça Eleitoral e interessados na área. De acordo com o site do tribunal, fora o Espírito Santo e o Rio Grande do Sul, todos os Estados possuem EJEs.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.