Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Carlos mirou pessoas próximas a Bolsonaro ao dizer que há interessados na morte do pai

Fontes dizem que crítica de filho do presidente foi feita em relação às disputas por postos em ministérios e às pressões por cargos

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2018 | 20h48

RIO - O vereador Carlos Bolsonaro (PSC), um dos três filhos do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), que têm mandatos legislativos, voltou a criticar aliados do pai. Ele afirmou em  sua conta no Twitter nesta quinta-feira,  29, que “a morte de Jair Bolsonaro não interessa somente aos inimigos declarados, mas também aos que estão muito perto”, principalmente após sua posse.

Segundo fontes próximas ao vereador, a crítica teria sido feita em relação às disputas por postos em ministérios e às pressões por cargos. Já palavra “morte” teria sido usada metaforicamente. Carlos também afirmou que é fácil “mapear uma pessoa transparente e voluntariosa”.

"Sempre fiz minha parte exaustivamente. Pensem e entendam todo o enredo diário!”, escreveu.

Os aliados de Carlos explicaram que, na medida em que os são escolhidos os novos ministros,  diminuem as vagas e aumenta o número de desamparados, o que geraria descontentamento. Carlos também estaria irritado com pressões contra o pai, que, em sua opinião, deveria ter tempo para repousar.

Segundo a Coluna do Estadão divulgou, nesta quinta-feira, a indicação de Osmar Terra para o Ministério da Cidadania irritou a bancada evangélica, que ameaça se rebelar caso não tenha cargos na Esplanada. Formado por 180 deputados, o grupo foi consultado por Jair Bolsonaro sobre nomes para a nova pasta, mas acabou surpreendido com a escolha.

Já o pastor Silas Malafaia não gostou de o senador Magno Malta (PR-ES) não ter sido indicado à pasta. A indicação de Ricardo Vélez Rodríguez para a Educação sem aguardar a sugestão dos evangélicos também foi motivo de protesto. A lista de “abandonados” inclui, além de Magno Malta, os deputados Fernando Francischini, Alberto Fraga (ambos da bancada da bala) e Pauderney Avelino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.