Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Carlos Bolsonaro diz que Brasil não terá transformação rápida por ‘vias democráticas’

No Twitter, filho do presidente sugere que as mudanças que o governo propõe para o Brasil não se concretizem por meio da democracia

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2019 | 22h25

O vereador carioca Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente da República, Jair Bolsonaro, usou o Twitter para dizer que “a transformação que o Brasil quer” não acontecerá na velocidade almejada por “vias democráticas”.

Ele sugere, ainda, que as mudanças que o governo propõe para o País não se concretizem por meio da democracia, e reclama da atuação de oponentes políticos, sem citar nomes.

“Por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos... e se isso acontecer”, escreveu Carlos. “Só vejo todo dia a roda girando em torno do próprio eixo e os que sempre nos dominaram continuam nos dominando de jeitos diferentes.”

Na mesma sequência de mensagens, o vereador escreve que o governo federal vem “desfazendo absurdos” e tenta “recolocar nos eixos” o País. Ele reclama que os “avanços (são) ignorados e os malfeitores esquecidos”.

A publicação foi seguida de outra mensagem, em que o filho do presidente diz que está “tranquilo” como o pai e que “o poder jamais me seduziu”.

No Palácio do Planalto, dois auxiliares do presidente disseram, sob a condição de anonimato, que o que Carlos fala não se escreve. Um ministro chegou a afirmar que a postagem do vereador “é uma maluquice”. 

Nos bastidores do governo, no entanto, há preocupação com interpretações que mensagens assim podem passar no momento em que Bolsonaro tenta recuperar popularidade. Mesmo interlocutores do presidente que tentaram amenizar o post de Carlos admitiram que as afirmações têm viés autoritário.

O deputado Paulo Pimenta (PT) comparou a fala de Carlos a um trecho de entrevista concedida por Jair Bolsonaro ao programa Câmera Aberta em 1999 em que ele diz que fecharia o Congresso se fosse presidente e critica duramente o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), reeleito um ano antes.

Na entrevista de 1999 citada pelo deputado opositor, Bolsonaro havia dito que não acreditava em solução por meio da democracia. "Através do voto você não vai mudar nada nesse País", disse. Veja o vídeo abaixo, a partir de 31:00.

"Daria golpe no mesmo dia (se eleito presidente)! Não funciona! O Congresso hoje em dia não serve pra nada, só vota o que o presidente quer. Se ele é a pessoa que decide, que manda, que tripudia em cima do Congresso, dê logo o golpe, parte logo para a ditadura", disse o então deputado. 

A deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) usou o mesmo Twitter para comentar a mensagem do filho do presidente, e questionou as alternativas que o comentário do vereador pode sugerir. "Para Carlos Bolsonaro, vias democráticas não trarão a transformação que o país precisa. O que ele sugere? A tirania?", escreveu. "A democracia é o único caminho a se seguir para termos uma sociedade justa, livre e inclusiva", completou. 

Carlos é próximo do escritor Olavo de Carvalho e sempre tentou influir na comunicação do governo. Foram dele as críticas mais ácidas ao general Carlos Alberto dos Santos Cruz, então ministro da Secretaria de Governo, e ao advogado Gustavo Bebianno, que era ministro da Secretaria-Geral da Presidência. Os dois acabaram caindo.

Amigos do presidente sempre dizem que Carlos nunca publica nada nas redes sem Bolsonaro saber. Um dos filhos mais próximos do presidente, Carlos tem passado os últimos dias ao lado de Jair Bolsonaro no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo. Ele acompanha o dia-a-dia da recuperação do pai, enquanto outros filhos do presidente, como o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) fizeram visitas durante esta segunda-feira, 9, mas não ficaram no hospital. 

Depois da repercussão em torno da mensagem na imprensa, o vereador voltou ao Twitter e questionou: “agora virei ditador?”. A postagem foi acompanhada de emoticons com carinhas “chorando de rir”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.