Ed Ferreira/Estadão - 23.11.2012
Ed Ferreira/Estadão - 23.11.2012

Carlinhos Cachoeira recebe alta

Contraventor foi internado no domingo com sintomas de depressão e estresse

Rubens Santos, especial para O Estado - ampliado às 12h27

30 de novembro de 2012 | 10h18

O contraventor Carlos Augusto Ramos de Almeida, o Carlinhos Cachoeira, recebeu alta médica nesta sexta-feira, 30, e deixou o Instituto de Neurologia de Goiânia, onde foi internado no domingo, 25, com sintomas de estresse e depressão.

Na saída, acompanhado pela mulher, Andressa Mendonça, e um dos seus sete irmãos, Cachoeira agradeceu aos médicos e ao hospital. "Agradeço a Deus e a vocês", disse durante os poucos minutos dedicados aos jornalistas. Apesar da pressa, sua mulher aproveitou para anunciar o casamento deles: "Será este mês", contou ela, que se disse "aliviada" com a alta do futuro marido.

O médico César Leite de Santa'Anna afirmou que Cachoeira ainda deve ficar em repouso por 30 dias e voltará ao hospital nos próximos dias para novos exames. O empresário, no entanto, foi proibido de voltar aos trabalhos.

Cachoeira ficou preso por nove meses em razão das investigações da Operação Monte Carlo, que o acusaram de liderar uma rede de jogos ilegais em Goiânia. Dias depois de ser liberado por decisão judicial, o contraventor foi submetido a uma bateria de exames. Além de sinais de depressão e estresse agudo, os médicos identificaram um quadro de envelhecimento precoce e magreza - ele teria perdido 19 quilos durante o período em que ficou preso.

Na semana passada, a Justiça Federal uma segunda denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal contra Cachoeira, também por acusações de envolvimento de exploração de jogos ilegais. Segundo o procurador Daniel de Resende Salgado, o grupo de Cachoeira continuava a agir mesmo após a prisão do contraventor.

A Justiça determinou o recolhimento do passaporte de Cachoeira e de outros cinco acusados, a proibição de viagens ao exterior e a proibição de viagens a cidades fora de onde vivem sem comunicação ao Judiciário.

Tudo o que sabemos sobre:
carlinhos cachoeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.