André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Cardozo tenta reunião com PSDB para evitar 'pauta-bomba'

Líderes governistas passaram o dia de ontem e hoje fazendo contas dos apoios e avalia que pode ter votos suficientes pelo menos no Senado para manter os vetos, em especial o que concede reajuste de 59,5% para os servidores do Judiciário

Ricardo Brito e Andreza Matais , O Estado de S. Paulo

22 de setembro de 2015 | 17h00

Brasília - O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, procurou nesta terça-feira, 22, o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) para pedir uma conversa com a bancada tucana no Senado num esforço para evitar votos do partido a favor da chamada "pauta bomba" que irá significar impacto fiscal de pelo menos R$ 127,8 bilhões para o País. No telefonema, o ministro argumentou a favor da manutenção dos vetos da presidente Dilma Rousseff que devem ser colocados em votação em sessão do Congresso nesta noite. O senador tucano argumentou que a reunião não seria conveniente, mas garantiu que seu voto e o dos senadores Dalirio Beber (SC) e Tasso Jereissati (CE) serão a favor dos vetos.

O senador Cássio Cunha Lima (PB), líder do PSDB no Senado, contudo, tem se manifestado pela derrubada dos vetos. Para derrubar qualquer um dos 32 vetos da pauta, são necessários o voto de pelo menos 257 deputados e 41 senadores conjuntamente. O governo teme o impacto fiscal da derrubada dos vetos que seria de, pelo menos, R$ 127,8 bilhões.

 

O senador Aécio Neves, presidente nacional do PSDB, também já sinalizou voto pela manutenção dos vetos. Segundo ele, o partido não tem ainda uma orientação fechada, mas destacou que há uma preocupação com essas questões "que vão além deste governo". "Medidas que amanhã desequilibram ainda mais a situação fiscal do Brasil e criam maiores dificuldades ainda para a recuperação da economia, são vistas com muita cautela pelo PSDB", afirmou ele, em entrevista coletiva.

Líderes governistas passaram o dia de ontem e hoje fazendo contas dos apoios e avalia que pode ter votos suficientes pelo menos no Senado para manter os vetos, em especial o que concede reajuste de 59,5% para os servidores do Poder Judiciário entre 2015 e 2019, cujo impacto será de R$ 36,2 bilhões. A estratégia inicial do governo era atuar para esvaziar a sessão, mas dois líderes partidários relataram ao Broadcast Político a mudança na articulação. "Vamos acabar com isso hoje", disse um deles à reportagem, diante dos protestos de servidores do Judiciários nas dependências do Congresso. 

Tudo o que sabemos sobre:
José Eduardo CardozoPSDBvetos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.