Cardozo quer PT conciliado para definir candidato em SP

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, defendeu hoje (12) um esforço de conciliação entre as diversas alas do PT no processo de escolha de um candidato para disputar a prefeitura de São Paulo em 2012. Cardozo disse que trabalha para que haja um acordo interno e pediu desprendimento dos petistas para evitar que a disputa precise ser decidida com a realização de prévias.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

12 de setembro de 2011 | 12h40

"O ministro Fernando Haddad é da minha corrente (Mensagem ao Partido) e se ele for candidato estarei engajado, mas acho que precisamos ter nessa hora algum desprendimento para buscarmos construir um projeto comum", disse Cardozo, após participar da abertura de congresso sobre segurança pública para a Copa e a Olimpíada promovido pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Para o ministro, o ideal é criar um ambiente de união que evite a definição do candidato pelo sistema de prévias. "Pessoalmente, preferia que tivéssemos a escolha do candidato sem prévias e temos condições de fazê-lo", afirmou. Cardozo disse que tem um grande carinho pela senadora Marta Suplicy (PT-SP), mas deixou claro que estará ao lado do ministro da Educação, Fernando Haddad, na disputa entre os pré-candidatos petistas. "Antes de buscar favoritos, estou empenhado em verificar se fazemos a conciliação", disse. "Mas, se houver prévias, cada um se aliará ao seu candidato."

Segundo Cardozo, o PT tem nomes competitivos para tentar retomar a Prefeitura na eleição do ano que vem. "Temos muitas chances de ganhar a eleição para a Prefeitura de São Paulo", avaliou.

Mais conteúdo sobre:
CardozoPTeleiçãoSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.