UESLEI MARCELINO|REUTERS
UESLEI MARCELINO|REUTERS

Cardozo estreia defesa do Executivo no STF em julgamento sobre seu sucessor no Ministério da Justiça

Julgamento se baseia em uma ação ajuizada pelo PPS na Corte na quinta-feira passada, 3, dia da posse do novo ministro; Processo questiona a possibilidade de um integrante do Ministério Público assumir função no Executivo

Gustavo Aguiar e Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2016 | 15h39

Brasília - O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, estreou nesta quarta-feira, 9, como defensor do Executivo no julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a legalidade da permanência de Wellington César Lima e Silva, seu sucessor no Ministério da Justiça, no cargo.

O julgamento se baseia em uma ação ajuizada pelo PPS na Corte na última quinta-feira, dia da posse do novo ministro. O processo questiona a possibilidade de um membro do Ministério Público assumir função no Executivo. Wellington é procurador-geral adjunto da Bahia e foi exonerado do posto nesta semana.

Ex-ministro da Justiça, Cardozo defendeu que não há subordinação entre os entes e estadual e federal, e por isso não haveria ilegalidade na nomeação de Wellington ao cargo. O advogado-geral da União também afirmou que, se a tese da AGU não for admitida, o STF precisará editar uma norma com validade a partir de agora, uma vez que, segundo ele, há muitos membros do Ministério Público exercendo funções nos poderes executivos estaduais.

Outro ponto levantado por Cardozo foi a oposição de uma arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF), ordem processual que, segundo a AGU, "cria um obstáculo intransponível", já que a lei impede a admissão desse tipo de ação quando houver outro meio eficaz para sanar o questionamento.

"Quem irá querer propor uma ação civil pública se poderá recorrer diretamente ao STF?", questionou Cardozo, afirmando que a ação fere as regras processuais previstas. A tese foi acompanhada em manifestação do ex-procurador-geral da República Aristides Junqueira, que falou no julgamento em nome das associações do Ministério Público.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.