André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Cardozo cobra procurador por ‘vazamento’ de delação

Enquadrado pelo PT, ministro se reúne com Janot e Lewandowski; STF nega ter tratado de Lava Jato com petista

Talita Fernandes, O Estado de S. Paulo

29 de junho de 2015 | 23h03

Brasília - O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, se reuniu ontem com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para cobrar os “vazamentos” da delação premiada do empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC, na Operação Lava Jato. O ministro foi enquadrado pelo PT pelos vazamentos na Lava Jato e na Operação Acrônimo, envolvendo políticos do partido.

Cobrado, Cardozo transmitiu a reclamação do PT a Janot, responsável pelas investigações da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal e no Superior Tribunal de Justiça. Após o encontro com Janot, a agenda de Cardozo foi atualizada, e foi incluído um encontro com o presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski. Pela manhã, na agenda do presidente da Corte constava apenas compromissos em São Paulo, mas ela foi retirada do ar no fim da tarde. Questionada, a assessoria do STF disse que a agenda estava incorreta e que o presidente permaneceu em Brasília. A assessoria confirmou o encontro e disse que ele ocorreu de “última hora”, após pedido do ministro. 

O STF nega que Cardozo tenha cobrado o vazamento da delação de Pessoa, homologado pelo ministro Teori Zavascki. Segundo a assessoria, o ministro foi à Corte tratar do reajuste de servidores do Judiciário.

Em março, outro encontro entre Cardozo e Janot causou polêmica por ter ocorrido às vésperas do envio ao STF da lista de políticos alvo da Lava Jato. Na ocasião, a justificativa oficial do encontro foi um debate sobre medidas de combate à corrupção. Posteriormente, foi divulgado que o tema tratado foi a segurança do procurador-geral. Os dois negaram que a conversa tenha girado em torno da Operação Lava Jato./ COLABOROU ISADORA PERON

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.