Cardozo: Bastos comandou Ministério de forma brilhante

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, lamentou em nota a morte do advogado e ex-ministro da pasta Márcio Thomaz Bastos. Cardozo considerou que Bastos comandou "de forma brilhante o Ministério da Justiça de 2003 a 2007, reestruturando a Polícia Federal e promovendo avanços institucionais no Poder Judiciário". "Lembrado com carinho e admiração pelos funcionários desta Casa, Márcio Thomaz Bastos seguirá como exemplo de competência, integridade e espírito público", disse Cardozo.

BEATRIZ BULLA, Estadão Conteúdo

20 de novembro de 2014 | 13h45

"Durante sua gestão, fortaleceu a cooperação jurídica internacional e o combate à lavagem de dinheiro por meio da criação do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI) e da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (ENCCLA)", complementou.

Thomaz Bastos esteve à frente do Ministério da Justiça de 2003 a 2007, passando o posto no segundo mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para Tarso Genro. Em 2010, quem assumiu o Ministério foi o secretário executivo da pasta, Luiz Paulo Barreto. Cardozo foi nomeado ministro da Justiça em janeiro de 2011.

O ministro também destacou a atuação de Thomaz Bastos na Advocacia, na Ordem dos Advogados do Brasil e no serviço público, nos quais "mostrou-se um defensor intransigente da democracia e dos direitos humanos, participando do movimento das Diretas Já e da Fundação da Ação pela Cidadania".

Tudo o que sabemos sobre:
Márcio Thomaz BastosCardozo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.