Cardozo atribui ao Judiciário parte da culpa por mortes

Horas depois da notícia da quinta morte de trabalhador rural com sinais de crueldade na Amazônia, o Planalto escalou no final da tarde de hoje o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para, diante das câmeras, atribuir ao Judiciário parte da culpa por mais uma série de assassinatos em conflitos fundiários na região.

LEONÊNCIO NOSSA E RAFAEL MORAES MOURA, Agência Estado

02 de junho de 2011 | 20h23

A primeira decisão do governo foi convidar o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cesar Peluso, para participar de novos encontros sobre o problema fundiário. "É preciso fazer inquéritos policiais e ações judiciais rápidos", disse, em entrevista, Cardozo.

Na noite de ontem, o lavrador Marcos Gomes da Silva, de 33 anos, foi assassinado em Eldorado do Carajás (PA). A notícia só chegou ao Planalto na tarde de hoje. Foi quando a presidente Dilma Rousseff se reuniu para discutir o assassinato e as mortes anteriores com Cardozo e os ministros Nelson Jobim (Defesa), Gilberto Carvalho (Secretaria Geral da Presidência) e Maria do Rosário (Direitos Humanos). Também participaram do encontro os governadores Simão Jatene (Pará), Omar Aziz (Amazonas) e Confúcio Moura (Rondônia).

Mais uma vez, a presidente não conseguiu fechar medida concreta para resolver o problema. A estratégia para mostrar à opinião pública empenho do governo foi a receita tradicional: o envio de tropas para a área de conflito. Ela discutiu com os ministros e governadores, de forma genérica, uma operação conjunta das Forças Armadas, da Força Nacional de Segurança e das polícias Federal, Rodoviária Federal, Civil e Militar.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciacrimecampogoverno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.