Cardozo atrasa escolha e acirra disputa na PF

O ministro prometeu que antes do dia 27 define o nome, que ainda precisa ser submetido ao crivo da presidente eleita

Vannildo Mendes, de O Estado de S.Paulo,

16 de dezembro de 2010 | 23h01

BRASÍLIA - A demora na escolha do futuro diretor-geral da Polícia Federal acirrou o clima de disputa na corporação e ampliou o número de candidatos ao cargo. Os delegados Roberto Troncon Filho, diretor da Divisão de Combate ao Crime Organizado (Dcor), e Ildo Gasparetto, superintendente do órgão no Rio Grande do Sul, lideram a corrida pela sucessão. Mas o futuro ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, não se definiu e estendeu as sondagens.

 

Cardozo já se reuniu com o Ministério da Justiça e com a atual direção da PF. No momento, intensifica as consultas a entidades de classe, como a Associação dos Delegados da Polícia Federal (que representa os delegados) e a Federação Nacional dos Policiais Federais (que congrega todos policiais).

 

O ministro prometeu que antes do dia 27 define o nome, que ainda precisa ser submetido ao crivo da presidente eleita Dilma Rousseff, pela natureza sensível do cargo. Com 15 mil servidores, a PF executa um orçamento de R$ 4,5 bilhões, maior do que o de vários ministérios, inclusive o da Justiça, ao qual é subordinada.

 

O futuro ministro já definiu que o escolhido será alguém de dentro da própria corporação. Mas como a escolha está em aberto, os lobbies se articularam com força. A Federação Nacional dos Delegados de Polícia (Fenadepol), por exemplo, fez votação nacional e entregou ao ministro lista sêxtupla com os mais votados. São eles os delegados Sandro Torres Avelar, diretor do Sistema Penitenciário Federal (32%); Troncon (21%), Getúlio Bezerra, (16%); Gasparetto (14%), José Mariano Beltrame, secretário de Segurança do Rio (9%) e Leandro Coimbra, superintendente em São Paulo (8%). Gasparetto é tido como favorito porque tem apoio de Tarso Genro, governador eleito do Rio Grande do Sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.