Candidatura tucana pode sair esta semana, diz Aécio Neves

Governador mineiro discutirá indicação à Presidência em encontro com Serra na próxima sexta-feira

Eduardo Kattah, de O Estado de S.Paulo,

07 de dezembro de 2009 | 15h37

 

BELO HORIZONTE - O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), disse nesta segunda-feira, 7, acreditar que uma definição sobre quem será o presidenciável tucano em 2010 poderá ocorrer já na próxima sexta-feira, 11, numa conversa que pretende ter com o governador paulista, José Serra (PSDB). Segundo Aécio, ele e Serra se reunirão durante um evento partidário no Piauí. Ao chegar para a convenção do diretório estadual do PSDB, o governador mineiro reafirmou que sua "prioridade absoluta" é a sucessão estadual.

 

Veja Também

linkSerra sobe três pontos e Dilma dois em nova pesquisa Ibope

 

"Vou conversar com o governador Serra na sexta-feira. O que posso garantir para vocês é que não passará do início de janeiro", disse Aécio, que tem reiterado que desistirá da pré-candidatura à Presidência e se lançará ao Senado caso o partido não decida quem será seu candidato até o fim deste mês. Por causa das festas de fim de ano, ele estipulou os primeiros dias de janeiro para anunciar sua decisão.

 

A declaração foi feita no mesmo dia em que uma nova pesquisa CNI/Ibope mostrou recuperação de Serra na disputa contra a ministra Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Aécio e o governador paulista disputam a indicação como candidato do PSDB. Enquanto o mineiro quer uma definição até o fim desse mês, Serra defende que a decisão ocorra somente no final de março. Apesar da pressão no ninho tucano, até o momento Aécio tem rejeitado categoricamente a proposta de compor como vice numa chapa encabeçada pelo paulista.

 

Desembarque presidencial

 

Nos últimos dias, ele deu início a uma espécie de desembarque da pré-candidatura presidencial. Sempre destacando que respeitará a decisão do partido e que não liderará um racha interno, Aécio abandonou de vez a retórica das prévias partidárias, passou a elogiar a eventual candidatura de Serra e tem concentrado sua agenda em Minas. Ao mesmo tempo, estabeleceu publicamente a eleição de seu vice, Antônio Anastasia (PSDB), como algo primordial.

 

"Eu não sei meus amigos e minhas amigas quais os caminhos que o destino me reserva. Mas eu quero aqui reafirmar, de público, que o meu primeiro, o meu maior compromisso é com Minas Gerais", discursou o governador, que durante o evento partidário praticamente lançou a candidatura de Anastasia à sua sucessão.

 

Aécio já garantiu que não há hipótese de voltar atrás caso opte mesmo pela candidatura ao Senado. Aliados afirmam, contudo, que com essa decisão ele ficará à vontade para avaliar o cenário eleitoral e eventualmente recusar uma convocação do partido se futuramente Serra desistir da disputa presidencial.

 

Também nesta segunda-feira, após ser provocado por um repórter, o mineiro entrou na brincadeira e concordou que venceu o colega paulista no futebol, já que o que o Cruzeiro - seu time do coração - bateu o Palmeiras na disputa por uma vaga na Taça Libertadores do ano que vem. "Pelo menos nisso, né?", comentou Aécio.

 

Sem comentários

 

O governador de São Paulo, em evento público na capital, esquivou-se de confirmar a reunião da próxima sexta-feira. "Não vou comentar, senão vocês vão tirar o meu lead", disse, bem-humorado, referindo-se ao lançamento do Programa Pró-Egresso, uma parceria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) com as prefeituras do Estado de São Paulo e várias secretarias de governo para criar oportunidades de emprego a ex-prisioneiros. O programa foi lançado no Palácio dos Bandeirantes, com a presença do presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, e de outras autoridades.

 

Em defesa de Azeredo

 

Na convenção tucana que homologou a eleição do deputado federal Nárcio Rodrigues como novo presidente do PSDB-MG, o governador voltou a sair em defesa do senador Eduardo Azeredo, réu em um processo criminal por suposta participação num esquema de desvio de recursos públicos e caixa 2 na campanha estadual de 1998. Dizendo que "por dever de justiça" e salientando que "a vida pública não é para covardes", Aécio fez questão dizer que os tucanos mineiros têm orgulho de todos os seus "companheiros".

 

"E eu tenho um orgulho especial de ser companheiro do ex-prefeito, ex-governador e senador Eduardo Azeredo, vítima hoje muito mais de um julgamento político", afirmou. O senador não havia comparecido à convenção.

 

Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou denúncia oferecida pela Procuradoria Geral da República e Azeredo irá responder ação penal por suspeita de envolvimento com crimes de peculato e lavagem de dinheiro no caso que ficou conhecido como mensalão mineiro.

 

Segundo o governador, as lideranças tucanas não têm "uma razão sequer" para se envergonhar da trajetória do partido em Minas Gerais. "Somos um partido de pessoas sérias, que faz política na dimensão maior que essa expressão possa trazer".

 

Com informações de Ana Conceição, da Agência Estado, em São Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
eleicoes 2010Aecio NevesJose Serra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.