Candidatura própria do PMDB é decisão racional, diz Temer

O novo presidente do PMDB, Michel Temer, reafirmou hoje, em entrevista ao programa ?Bom Dia, Brasil?, da TV Globo, que não há possibilidade alguma de o partido não lançar candidatura própria à Presidência da República, em 20 de janeiro. Segundo ele, além de o partido querer chegar à presidência, a candidatura própria pretende também ajudar os candidatos aos governos estaduais e ao Congresso Nacional. Segundo Temer estatisticamente está provado que quando o PMDB teve candidato à Presidência da República o número de deputados estaduais e federais eleitos foi maior. "Esta é a razão que nos leva muito racionalmente a termos candidato próprio", afirmou. Ao referir-se à ala de dissidentes dentro do partido, Michel Temer defendeu a coerência, lembrando que o PMDB apoiou, em convenção anterior, o apoio ao governo Fernando Henrique. "Nós apoiamos o governo por seis, sete anos, participamos dos avanços que naturalmente o governo teve. Por isso temos que ser coerentes. Agora transparentemente estamos sustentando a tese da candidatura própria e naturalmente, assim que lançado o candidato à Presidência da República, haverá o afastamento do partido do governo", disse Temer. O novo presidente do PMDB disse que o partido não vai abandonar o senador Jader Barbalho, que responde a uma série de acusações. Ele ressaltou, no entanto, que as acusações são pessoais e que nesse caso cabe a Barbalho se defender.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.