Candidatura de Marina pode causar impacto na eleição no Rio

Nome da senadora também preocupa para a composição das chapas da oposição no estado

Alexandre Rodrigues, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2009 | 15h40

A possibilidade de a senadora Marina Silva trocar o PT pelo PV para concorrer à Presidência da República foi interpretada como um revés para a candidatura governista da ministra Dilma Rousseff, mas trouxe também um motivo de preocupação para a oposição na difícil missão de montar um palanque forte para o candidato a Presidência do PSDB no Rio, terceiro colégio eleitoral do País.

 

 

Veja Também

linkMarina e Suplicy podem assinar carta contra Sarney

linkMarina Silva faz Ciro rever planos para as eleições de 2010

linkGilberto Gil nega convite para posto de vice na chapa

 

Os tucanos tentam convencer o deputado federal Fernando Gabeira (PV) a concorrer ao governo estadual, mas se o partido dele tiver Marina como candidata à presidência, o PSDB teria que dividi-lo pelo menos no primeiro turno. Gabeira acha que a aliança regional continuaria viável com Marina, mas o ex-prefeito Cesar Maia (DEM) já se posiciona como alternativa.

 

Para Gabeira, que terá um encontro com Marina hoje, o que pode ser visto como desvantagem para sua candidatura a governador pelo bloco oposicionista PV-PSDB-PPS-DEM é na verdade uma vantagem. "A possível candidatura de Marina pode ter um impacto positivo na minha decisão, já que eu poderia ser candidato ao governo com dois palanques nacionais: Marina e (José) Serra. No primeiro turno, eu apresentaria a Marina, mas não deixaria de afirmar que o Serra é uma boa opção, deixando o caminho aberto para desembarcar na candidatura dele no segundo turno. E os dois candidatos me apoiariam, aumentando as chances da minha candidatura", disse ontem ao Estado o deputado verde, que ainda não decidiu se vai tentar o Palácio Guanabara ou disputar uma vaga no Senado.

 

O deputado estadual Luiz Paulo Corrêa da Rocha (PSDB), que foi candidato a vice na chapa de Gabeira para prefeito no ano passado, também admite que, com o fim da verticalização, é possível a reunião dos partidos de oposição em torno do deputado verde no Rio, dando-lhe tempo de televisão e estrutura partidária, para ajudar Serra, mesmo que ele também peça votos para Marina.

 

No grupo do governador Sérgio Cabral (PMDB), candidato à reeleição e principal cabo eleitoral de Dilma no Rio, a expectativa é de que uma candidatura de Marina pelo PV tire as últimas dúvidas de Gabeira para se decidir pelo Senado, uma eleição que as pesquisas mostram bem mais fácil do que a tarefa de bater Cabral. É também o caminho preferido dos dirigentes do PV do Rio. Mas Gabeira refuta: "Essa é a interpretação que interessa ao Planalto."

 

O deputado se mostra sensível aos argumentos de tucanos e líderes do PPS e PSDB, mas diz querer esperar o final de setembro quando o troca-troca partidário tiver terminado. Com o panorama político decantado, decidirá se concorre ao governo ou ao Senado. Com esse prazo no horizonte, o ex-prefeito do Rio, Cesar Maia (DEM), já se credenciou como opção para liderar o palanque fluminense do candidato tucano à Presidência, do PSDB, que ele, Gabeira e a maioria dos tucanato do Rio prefere que seja José Serra.

 

Nas reuniões do bloco na casa do ex-governador tucano Marcello Alencar, Maia faz questão de deixar clara a primazia da decisão de Gabeira, mas já se posicionou como candidato ao Senado. Por essa lógica, seria o candidato a governador se Gabeira preferir o Senado. "A palavra agora está com o Gabeira, mas Maia já moveu a pedra dele muito inteligentemente", diz um tucano próximo a Serra. Para o governador paulista, mesmo com o desgaste de sua controversa última administração, Maia é a melhor alternativa para dar estrutura e discurso à oposição no Rio, onde o PSDB não tem nome competitivo.

 

O ex-prefeito também tem feito análises de que o eleitorado do Rio e de Minas Gerais serão decisivos em 2010. No entanto, políticos próximos a ele dizem que, de posse de pesquisas desfavoráveis, Maia resistiria em disputar com Cabral. Por outro lado, sua candidatura ajudaria a bancada fluminense do DEM, em dificuldades depois da perda da prefeitura da capital, que só teria certa a reeleição do presidente do partido, Rodrigo Maia, filho do ex-prefeito.

 

"Sacrifício não existe no vocabulário dele", desacredita um tucano. Já o presidente regional do DEM, deputado federal Rogério Lisboa, confirma o acordo e diz que Maia está disponível para liderar a chapa estadual no lugar de Gabeira. "A candidatura nacional é a nossa prioridade e Maia é um soldado do partido. E não seria sacrifício. Ele venceu duas eleições em que começou atrás. É um candidato qualificado e tem sintonia com Serra", avalia Lisboa.

 

O nome de Maia, no entanto, poderia rachar a aliança por causa dos desafetos que coleciona no PSDB, PV e PPS. No entanto, PSDB e PPS já sinalizaram que passarão por cima de qualquer entrave regional em nome de Serra.

 

"A nossa prioridade é a candidatura nacional, que tem uma grande possibilidade de vencer. Se o melhor para Serra for Maia, o PPS vai junto", disse o presidente nacional do PPS, Roberto Freire. Recuperando-se de uma cirurgia na coluna, Maia está temporariamente fora das rodas políticas. Por e-mail, avisa: espera Gabeira. Só partirá em busca de uma alternativa em outubro, depois da decisão do verde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.