Candidatura de Lindbergh ao governo do RJ é 'para valer', diz Rui Falcão

Apesar de reação do PMDB do Rio, que pede apoio a Pezão, presidente nacional do PT avalia ser legítima a manutenção do nome do senador petista na disputa de 2014

Daiene Cardoso, da Agência Estado

27 de fevereiro de 2013 | 10h33

O presidente nacional do PT, deputado Rui Falcão, disse, nesta quarta-feira, 27, que o partido deve sustentar a candidatura do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) para o governo do Rio de Janeiro. "Não estamos pensando em desistência, não. A candidatura dele é para valer", afirmou Falcão, durante evento de comemoração dos 30 anos da Central Única dos Trabalhadores (CUT), realizado em um hotel da capital paulista.

Falcão lembrou que o senador já está em caravana por cidades do interior fluminense "sem nenhuma hostilidade ao governador Sérgio Cabral (PMDB)". Para o líder petista, a tendência é de que, por enquanto, PMDB e PT mantenham candidaturas independentes nesse período pré-eleitoral para se contrapor à possível candidatura do deputado federal Anthony Garotinho (PR-RJ). Um dos nomes cotados no PMDB para a disputa é o do vice-governador Luiz Fernando de Souza, conhecido como Pezão.

"Se for possível no ano que vem, se houver uma convergência para a unificação, é uma possibilidade. Caso contrário, acho que caminham as duas possibilidades, as duas candidaturas", disse Falcão.

Na opinião do dirigente, é natural que os ânimos se exaltem entre os partidos nesse período. "Os dois partidos têm legitimidade de lançar suas candidaturas. A disputa faz parte, um tom mais alto faz parte", considerou.

Nesta semana, o PT inicia uma série de seminários pelo País para comemorar os dez anos no governo federal. A primeira cidade a ser visitada será Fortaleza, cuja administração foi perdida pelo PT na última eleição. Falcão rechaçou a ideia de que o início dos seminários por Fortaleza tenha como objetivo recuperar o espaço perdido para o PSB. "Não perdemos nenhum terreno", rebateu. Ele também negou que o partido tenha a intenção de se contrapor ao PSB do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, cujo candidato venceu a disputa na capital cearense. "Não estamos fazendo campanha eleitoral", afirmou.

Falcão também evitou comentar as críticas do ex-deputado federal Ciro Gomes a Eduardo Campos. "Não costumamos intervir na vida de outros partidos, sobretudo de aliados."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.