André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Candidatura de Collor pretende garantir sobrevivência do PTC

‘Candidatura é para valer. Vai ajudar e muito a cumprir a cláusula de barreira’, afirma presidente do partido

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

24 Janeiro 2018 | 05h00

BRASÍLIA - Anunciada na semana passada em evento no interior de Alagoas, a candidatura do ex-presidente e atual senador Fernando Collor (AL) à Presidência da República tem o objetivo de garantir a sobrevivência de seu partido, o nanico PTC, por causa das novas regras aprovadas pelo Congresso para que as legendas tenham acesso ao Fundo Partidário e ao tempo de propaganda gratuita no rádio e na TV.

Pela chamada “cláusula de barreira”, aprovada em outubro passado, as legendas deverão atingir pelo menos 1,5% dos votos válidos para a Câmara em 2018 em pelo menos nove Estados ou ter eleito, no mínimo, 13 deputados em nove Estados. Nas eleições de 2014, o PTC ficou longe desse porcentual: teve apenas 0,35% dos votos e só conseguiu eleger dois deputados.

“A candidatura dele é para valer. Não é para fazer de conta. Ela vai ajudar e muito a cumprir a cláusula de barreira”, admitiu o presidente nacional do PTC, Daniel Tourinho, que dirige a legenda desde que ela se chamava Partido da Reconstrução Nacional (PRN), sigla pela qual Collor foi eleito presidente em 1989 e que continuou quando sofreu impeachment em 1992.

+++Collor lançou candidatura do mesmo lugar onde anunciou sua primeira

A estratégia do PTC é usar a candidatura como atrativo para eleger de nove a 11 deputados federais. Um deles será o filho do senador, Arnon Collor, atual vice-presidente na América Latina do grupo NBA, liga de basquete americano. O partido espera também as candidaturas à reeleição dos atuais deputados Uldurico Pinto (PV-BA) e Brunny (PR-MG), que foram eleitos em 2014 pelo PTC, mudaram de agremiação e agora negociam o retorno à sigla.

A legenda também traçou como meta eleger de três a quatro senadores em outubro deste ano, pelo Amapá, Rio Grande do Norte e Amazonas. Eles se juntarão a Collor, que, caso não se eleja presidente, terá mandato de senador até 2022. Em Alagoas, a tendência é o PTC repetir a aliança de 2014 e apoiar a reeleição de Renan Filho (MDB) a governador e do pai dele, Renan Calheiros (MDB-AL), a senador.

Réu na Operação Lava Jato, Collor é acusado de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Em agosto de 2017, o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou a denúncia do então procurador-geral da República Rodrigo Janot contra o político. Ele é acusado de ter recebido ao menos R$ 29 milhões em propinas, entre 2010 e 2014. A defesa do senador nega e diz que vai provar sua inocência.

Convite. Tourinho afirmou que a ideia da candidatura de Collor partiu dos dirigentes do PTC. “Já tínhamos feito o convite desde o ano passado. Mas ele estava receoso pelas questões estaduais, uma cautela natural. Agora topou o desafio”, contou. Segundo o dirigente, na volta do recesso parlamentar, ele se reunirá com o senador para traçar as estratégias da pré-campanha e discutir nomes para vice.

O presidente do PTC adiantou que a ideia do partido é lançar o senador como um candidato de “centro-democrático liberal”. “Entendemos que esse centro está órfão de uma liderança de peso”, afirmou. Ele rechaçou o eventual impacto negativo que o impeachment e o pouco tempo de TV poderão ter sobre a candidatura. “Ele foi absolvido pela Justiça depois”, disse. Procurado, Collor informou, via assessoria, que não se pronunciaria. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.