Candidatos trocam farpas por metrô

Alckmin diz que projeto de Marta de estender linha até zona norte é 'puxadinho'

Clarissa Oliveira, Silvia Amorim e Ricardo Brandt, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2008 | 00h00

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, Geraldo Alckmin, subiu o tom do seu discurso ontem e criticou bandeiras de campanha dos adversários Marta Suplicy (PT) e Gilberto Kassab (DEM). O tucano classificou o projeto da petista para estender o metrô até a zona norte da cidade de "puxadinho" e disse que Marta não aplicou dinheiro da prefeitura na empresa quando governou a cidade "porque não quis". "Em 2005, a obra da estação Faria Lima já estava contratada. Como não tinha projeto (em 2004)? Não pôs porque não quis", acusou Alckmin, durante sabatina promovida pelo Instituto de Engenharia. Marta diz que se dispôs a investir na expansão da linha 4 na região do Largo da Batata, mas não o fez porque o governo estadual não tinha projeto concluído. Pouco antes, o tucano havia desqualificado o projeto de Marta de ampliação da linha 2 (Barra Funda-Itaquera) do metrô até a Freguesia do Ó. "Não dá para fazer puxadinho", disse. A avaliação dele é de que a proposta petista vai sobrecarregar a linha já existente e, portanto, a zona norte precisa de uma linha de metrô específica. Ainda sobre transporte coletivo, o tucano também mirou Kassab. "A prefeitura capitalizou até agora R$ 275 milhões", disse, referindo-se ao investimento municipal nas obras do metrô. Kassab tem divulgado que seu governo investiu R$ 1 bilhão, mas, de fato, é a meta de aplicação e não dinheiro efetivamente repassado. Na artilharia tucana, sobrou até para o governo federal. Ao falar que Marta não havia ajudado na ampliação do metrô, Alckmin disse que tampouco a gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva colaborou. "Em todo o mundo o governo federal investe no metrô. Em São Paulo isso não aconteceu."O tom adotado chamou a atenção, porque o ex-governador vinha evitando até então criticar os adversários. Ontem as declarações foram espontâneas durante um discurso. Aos jornalistas, negou que fosse uma estratégia de campanha.Marta revidou. Repetindo a tese de que faltou projeto, ela afirmou: "Não tinha projeto. Então, é incompetência". Ao embarcar no bate-boca, ela disse que Alckmin foi o governador que menos construiu metrô na cidade - a rede cresceu menos de 1 km ao ano na gestão do tucano, segundo ela. "E não adianta ele colocar os quilômetros do Covas no seu próprio cômputo porque não são dele", provocou, em referência ao ex-governador Mário Covas. Kassab também reagiu aos ataques. "O Alckmin não deve medir os outros pela régua dele. Eu vou investir R$ 1 bilhão no metrô em 2008. E se for reeleito vou investir mais R$ 1 bilhão na próxima gestão. Eu cumpro rigorosamente o que falo. Ele, não sei", disse o prefeito, acrescentando que Alckmin anunciou em fevereiro de 2002 a construção da linha 4 do metrô e prometeu concluir a obra em 2006. "Atrasou tanto e trabalhou tão mal que a obra só vai ficar pronta em 2010."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.