Candidatos se antecipam a ataques em Curitiba

Os primeiros programas eleitorais dos principais candidatos à prefeitura de Curitiba, que foram ao ar hoje, começaram por reconhecer o que o adversário tem de bom ou já partiram para a defesa antes mesmo de serem atacados. Os outros, na maioria, utilizaram o pouco tempo para apresentar seus currículos tanto no aspecto familiar quanto no profissional. Todos prometeram apresentar propostas de governo com detalhes nos próximos programas. O candidato à reeleição, Beto Richa, da coligação "Curitiba - o Trabalho Continua" (PSDB-PP-PSL-PDT-DEM-PSB-PPS-PR-PSDC-PRP-PTN), que tem liderado as pesquisas, surpreendeu logo no início do programa ao colocar pessoas para reclamar da falta de vagas em creches. "É provável que vocês vejam isso no horário eleitoral (dos oposicionistas)", disse. E deu razão a quem reclamava, dizendo não ser possível fazer tudo em quatro anos e, por isso, se candidatou à reeleição.Criticado há algum tempo por supostamente não citar que parte dos recursos de obras municipais vem do governo federal, ele se redimiu. "Quero fazer alguns agradecimentos, primeiro ao governo do presidente Lula, que entendeu o nosso trabalho e se mostrou bom parceiro, depois ao governo do Estado que, por um tempo, também colaborou com nossa administração", afirmou ele, no programa. A candidata Gleisi Hoffmann - coligação "Curitiba para Todos" (PT-PTC-PHS-PMN-PRB-PSC) -, segunda colocada nas pesquisas, reconheceu que seu adversário tem feito muitas obras na cidade e tratou de analisá-las antecipadamente. "Elas não resolveram os problemas essenciais das pessoas", disse. "Curitiba precisa de nova maneira de governar, precisa de propostas modernas, realistas e concretas que resgatem sua capacidade de inovar."O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff e o diretor-geral de Itaipu Binacional, Jorge Samek, foram algumas das autoridades que deram depoimentos a favor da candidata, além de seu marido, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo. "Mesmo sendo seu marido, não me sinto suspeito em dizer que é uma das pessoas mais competentes deste País", afirmou.''Branco''No PMDB, que tem Carlos Moreira Júnior como candidato, coube ao governador Roberto Requião a abertura do programa. Ele disse que a população de Curitiba ganharia se houvesse uma parceria entre o governo do Estado e a prefeitura. Já o candidato do PTdoB, Lauro Rodrigues, colocou no ar parte de sua desastrada atuação no debate na TV Band, quando não conseguiu completar as frases. "Deu branco, mas quem nunca teve um branco?" questionou.O PSOL, do candidato Bruno Meirinho, lembrou que a "Frente de Esquerda Curitiba" (PSOL-PCB-PSTU) foi criada "em resposta à decepção com o governo Lula". Os programas dos candidatos Maurício Furtado (PV), Fábio Camargo - "Uma só Curitiba" (PTB-PRTB ) - e Ricardo Gomyde (PCdoB) limitaram-se à apresentação de suas biografias e deram algumas pistas dos próximos programas. Gomyde ganhou o apoio da seleção feminina de ginástica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.