Candidatos prometem menos ataques na TV em SP

Mesmo apontando os problemas da cidade, a campanha do tucano deve evitar atacar a atual gestão

Carolina Freitas e Carolina Ruhman, da Agência Estado,

16 de agosto de 2008 | 13h28

Se depender das promessas dos candidatos à Prefeitura de São Paulo, o horário eleitoral gratuito na televisão, que começa nesta terça-feira (19) com os pleiteantes a vereador, vai ter menos ataques e mais propostas. Quarta-feira, dia 20, será o primeiro dia de propaganda dos que disputam a Prefeitura. Mesmo adversários, os candidatos que lideram as pesquisas de intenção de voto entraram em um consenso na hora de definir o mote de seus programas de TV à reportagem da Agência Estado: "propositivo".   Veja também:  Confira os números da pesquisa Ibope Crivella sobe 5 pontos e amplia liderança no Rio Candidato apoiado por Aécio não deslancha e PC do B lidera Candidato do PT à prefeitura do Recife abre dez pontos  Cientista político comenta a liderança de Marta Perfil dos Candidatos  Guia do Eleitor  Antigos aliados e agora de lados opostos da disputa, Geraldo Alckmin (PSDB), e o atual prefeito Gilberto Kassab (DEM), devem dosar as críticas entre si para não enfraquecer uma provável aliança entre as legendas num possível 2º turno. Mesmo apontando os problemas da cidade, a campanha do tucano deve evitar atacar a atual gestão. "Vamos mostrar questões concretas de que o futuro prefeito terá de tratar", diz o coordenador de campanha de Alckmin, o deputado federal Edson Aparecido. "Não haverá tom de desafio ou crítica. Em hipótese nenhuma entraremos em conflito com alguém."Alckmin promete economizar munição até mesmo contra a candidata do PT, Marta Suplicy. "O adversário é o PT, mas não vou me preocupar em criticar", afirma o candidato tucano. "Farei um programa propositivo." Kassab segue a mesma linha: "O horário gratuito é a oportunidade de mostrar propostas e essa será a minha preocupação." Mesmo assim, o candidato do DEM vai persistir nos desafios diários à ex-prefeita petista, para comparar as duas gestões. "Evidente que esses desafios vão aparecer no horário eleitoral", garante Kassab.A coordenação da campanha de Marta informou que seu programa seguirá a linha "propositiva", mas que "optou por manter o silêncio em relação à estratégia dos programas do horário eleitoral gratuito até que se iniciem". O publicitário Marcelo Teixeira, responsável pela campanha do candidato do PP, Paulo Maluf, também garantiu uma campanha volta a propostas. Maluf usará seus 2 minutos e 30 segundos "para cuidar da vida da nossa campanha", diz Teixeira, acrescentando que esse tempo é "suficiente".Os candidatos disseram não ter uma previsão de gastos com a campanha de TV.TemasO calcanhar-de-aquiles da cidade de São Paulo, o trânsito, não foi citado pelo atual prefeito, Kassab, ou por sua equipe de campanha, mas pode estar aí a carta na manga dos democratas para o programa de TV. "Vou priorizar saúde, educação, geração de empregos e habitação popular", diz o candidato. O programa usará cenas de Kassab vistoriando escolas e unidades de saúde e terá o formato de uma revista eletrônica.Obras viárias para aliviar o trânsito paulistano serão a bandeira de Maluf. "Isso sempre foi o estilo dele", afirma Teixeira. A proposta é construir a Freeway, com "tampões" sobre os rios Tietê e Pinheiros, criando seis pistas de cada lado das marginais. Maluf deve ainda falar sobre a idéia de implantar planos de saúde públicos nos moldes dos privados, o Plano de Atendimento à Saúde (PAS).Alckmin deve explorar deficiências do transporte coletivo. "A cidade tem um problema concreto de mobilidade e transportes", explica Aparecido. "Vamos mostrar o problema para poder propor soluções." Os tucanos vão abordar ainda a falta de vagas em creches e na Educação Infantil. Aparecido diz que o programa buscará "exposição máxima" de Alckmin. "Apesar de ele ser conhecido, as pessoas não sabem que ele disputa a Prefeitura", afirma o deputado. Aparecido não revela, no entanto, o formato do programa. "É o segredo do primeiro dia."

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições municipais 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.