Candidatos nos Estados apoiarão candidatura do PMDB, diz Temer

O presidente nacional do PMDB, deputado federal Michel Temer (SP), disse que os candidatos aos governos estaduais pelo partido apoiarão a candidatura própria à Presidência da República e, para acomodar acordos regionais, farão "alianças brancas", para oficialmente respeitar as regras de verticalização das coligações. "A avaliação que nós fazemos de todo o panorama estadual é de que a maioria quer candidatura própria e, mesmo nos Estados onde haja alianças com PT, PSDB e PFL, o que estou verificando é que os candidatos a governador querem a candidatura no plano nacional e, naturalmente, farão alianças brancas nos Estados", afirmou Temer, ao chegar ao Diretório do PMDB, em São Paulo, onde o presidente estadual, Orestes Quércia, apresenta apoio à pré-candidatura presidencial de Itamar Franco."Todos os governadores querem candidato próprio e que, na verdade, haja uma identidade nacional do PMDB. E eu tenho certeza que, no sábado, decidiremos pela candidatura própria", acrescentou, referindo-se à Pré-Convenção que o partido fará em Brasília, no dia 13.O presidente da sigla explicou que, no encontro de sábado, os delegados do partido receberão uma cédula para escolherem entre a manutenção da candidatura própria, decidida em encontro nacional em dezembro de 2004, ou se abrem mão desta candidatura. "Uma vez confirmada a opção pela candidatura própria, será na convenção de junho que escolheremos o nosso candidato, entre Itamar Franco e Anthony Garotinho", informou.GarotinhoTemer aproveitou a entrevista para, mais uma vez, recriminar publicamente a greve de fome realizada há nove dias pelo pré-candidato Garotinho, em protesto contra reportagens, dando conta da existência de fraudes financeiras para o financiamento da pré-campanha presidencial do ex-governador do Rio de Janeiro. "Agora, compete a Garotinho sair ou não da greve de fome. O PMDB não tomou partido nesta questão e esse é um ato de foro íntimo e não partidário", observou.Com um certo desdém, Temer disse que até está disposto a falar com Garotinho para que a greve de fome seja suspensa. "A única coisa que eu posso fazer, e talvez faça ainda pelo telefone, é fazer um apelo para que ele saia da greve de fome", comentou, sem, entretanto, garantir se faria pedido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.