Candidatos em Montes Claros-MG miram indecisos

Pela terceira vez na história, Montes Claros (MG) terá segundo turno. A disputa será entre os candidatos Paulo Guedes (PT) e Ruy Muniz (PRB). A principal cidade do norte de Minas está entre as 83 maiores do país com mais de 200 mil eleitores. A principal surpresa do primeiro turno foi a chegada do candidato do DEM, Jairo Ataíde, com 42.244 votos (22,07%), em terceiro lugar. De acordo com as pesquisas de intenção de voto, Ataíde era o favorito entre os eleitores, mas perdeu votos na reta final. Vale lembrar ainda que o primeiro turno foi marcado pela abstenção de 39.551 eleitores (16,03%). É mirando esses indecisos e em acordos políticos que os dois candidatos concentram as energias nessa etapa final das eleições.

ANDREY LIBRELON, Agência Estado

15 de outubro de 2012 | 15h06

Guedes teve 50.902 votos (26,6%), enquanto Muniz computou 50.144 (26,20%). Durante o primeiro turno, os dois candidatos apostaram na mensagem de ser a "novidade" nas eleições municipais. A proposta para arrebanhar os indecisos e novos eleitores permanece para o segundo turno.

No Café Galo, tradicional ponto de encontro de jornalistas, escritores e intelectuais do município, o entendimento é que a chegada de Muniz ao segundo turno também foi uma surpresa, uma vez que acenava como terceiro nas pesquisas de intenção de voto. Mas Guedes também iniciou a campanha como o "desconhecido" e "forasteiro", pois é natural de São João das Missões (MG) e chegou na liderança no primeiro turno. De acordo com fontes e especialistas políticos, o motivo da ascensão de Muniz tem nome e endereço: Luiz Tadeu Leite (PMDB), atual prefeito da cidade.

No primeiro turno, Muniz foi alvo de intensos ataques sobre o passado e o apoio que recebe de Leite, mal avaliado pelo eleitorado. Muniz diz que não faz "conchavos e nem compra votos ou apoios". "O que é passado já não existe. Houve muitos ataques e provocações no primeiro turno e não revidei por entender que o povo merece respeito. Minha campanha permanecerá sendo propositiva como no primeiro turno", diz. Sobre o apoio do atual prefeito, o candidato é categórico. "O PMDB viabilizou um espaço no horário eleitoral importante para levarmos nossas propostas ao eleitor. Não temos acordo de bastidores com quem quer que seja."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.