Candidatos do PSDB não mostram força na pesquisa CNT

Os principais nomes do PSDB cotados para a sucessão presidencial de 2002 ainda não conseguiram registrar uma presença expressiva nas simulações de voto para as eleições. Exemplo disso é o do ministro da Saúde, José Serra. Se ele fosse o único candidato da base governista às eleições presidenciais de 2002, Serra teria apenas 8,9% das intenções de voto. De acordo com uma das simulações feitas pelo instituto Sensus, em pesquisa encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), enquanto Serra ficaria na quinta colocação, a primeira posição seria do presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, com 31,4%. O segundo lugar ficaria com o ex-ministro da Fazenda, Ciro Gomes, com 13,3%, seguido pelo governador de Minas Gerais, Itamar Franco, com 12,4%, e do governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, com 9,2%. Na hipótese do candidato à sucessão presidencial ser o governador do Ceará, Tasso Jereissati, o quadro não se alteraria. Lula manteria a liderança (31,7%) e Tasso ficaria, assim como Serra, em quinto lugar. Ele só teria um volume de votos menor do que o ministro da Saúde - 5% das intenções de voto. O pior nome do PSDB, em termos de intenções de voto, é o presidente da Câmara dos Deputados, Aécio Neves. Pela simulação, Aécio ficaria com 2,2% das intenções de voto, na sexta colocação, atrás até mesmo de Enéas Carneiro, do Prona.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.