Candidatos deverão informar nome de vices e suplentes

Pela primeira vez na história, os candidatos à Presidênciada República, aos governos estaduais e ao Senado terão obrigatoriamente de informar nas propagandas eleitorais deste ano quem serão os seus vices e suplentes. A exigência deverá fazer parte de uma das instruções do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para o pleito de 2002.?O eleitor tem o direito de saber em quem está votando?, afirmou o ministro Fernando Neves, relator das instruções no TSE. A história recente do País demonstra que a informação é relevante já que vários titulares de cargos majoritários deixaram os postos antes do término. Em 1992, Fernando Collor de Mello deixou a Presidência da República depois de sofrer um processo de impeachment. Foi substituído pelo atual governador de Minas Gerais, Itamar Franco, na época pouco conhecido do eleitorado brasileiro. No ano passado, o então governador de São Paulo,Mario Covas, morreu vítima de um câncer. Em seu lugar, tomou posse Geraldo Alckmin, que também não era popular entre os eleitores paulistas.Além da exigência de divulgar o nome dos vices e dos suplentes, os candidatos terão de tomar mais cuidado com o que falam na propaganda eleitoral. Os que repetirem o mesmo tipo de ofensa na propaganda eleitoral poderão ser punidos com a suspensão da publicidade por período a ser fixado pelo juiz. Os veículos de comunicação ficarão livre para apoiar os candidatos de sua preferência, mas não poderão cometer abusos. Se ficar comprovado que o excesso teve a participação de algum postulante a cargo eletivo,o envolvido poderá ser punido com inelegibilidade. Para aumentar o controle sobre a prestação de contas da campanha e tentar evitar o chamado caixa 2, a Justiça Eleitoral deverá permitir que a sociedade tenha acesso amplo à arrecadação da campanha. Os fiscais dos outros partidos também poderão participar do exame das contas. ?A idéia é tentar atrapalhar ao máximo o caixa 2?, explicou o ministro Fernando Neves. O TSE deverá terminar de votar essas e outras instruções para as eleições deste ano até o final do mês de fevereiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.