Candidatos compram sites políticos no modelo fast-food

A liberação do uso da internet nas campanhas eleitorais, o fenômeno das redes sociais e a bem sucedida experiência da última eleição norte-americana fizeram surgir na rede um novo produto: a criação de sites políticos a jato. Os preços variam de R$ 250 a R$ 1.500, e são entregues ao candidato em até 24 horas. No entanto, a três meses da eleição, empresários do ramo têm as expectativas frustradas. O "E-candidato", site que começou a oferecer este tipo de serviço em 2002, tem expectativa de vender 300 sites até a eleição, mas, até agora, só fechou 20 contratos. Para ter um site feito pela empresa, o candidato precisa desembolsar R$ 1.500, mas pode parcelar o valor em 12 vezes no cartão de crédito.

CAROL PIRES, Agência Estado

28 Julho 2010 | 20h25

"A campanha do Obama realmente foi um fenômeno e usamos como argumento. Mas, ainda assim, os candidatos ainda não depositaram fé na força da internet. Ainda preferem gastar milhões com a televisão", avalia Ricardo Barreto, sócio da empresa, que tem entre os clientes o presidente nacional do PPS, Roberto Freire. "Como parlamentar, já utilizava muito a internet, a troca de e-mails com o eleitor. Hoje não tem forma de comunicação que possa superar na sociedade via internet, e isso reflete também na campanha", diz Freire, candidato a deputado federal por São Paulo.

O "Gabinete Online" oferece serviços mais baratos. O pacote para eleições fica em R$ 249,90. Até o começo desta semana, a empresa tinha entregado 40 sites, a maioria para candidatos a deputado estadual. Em 2008, quando o "Gabinete Online" surgiu, durante a eleição municipal, foram vendidas cerca de 200 páginas personalizadas. "Muita gente ainda acha que a lei não permite. Ou acha que não vai conseguir atualizar. Tem muita gente que, por mais bem instruído que seja, senta na frente do computador e vira um analfabeto", afirma Denílson Souza, do "Gabinete Online".

Atraído pela liberação do uso da internet nas eleições, Douglas Damame também lançou este ano o serviço de sites de candidatos na U2Net. Mas fechou apenas um contrato até agora. "Todos os dias recebo pedidos de orçamento, mas fechar mesmo, quase ninguém fecha porque ainda tem muita gente receosa com a lei, tem dúvidas", afirma. A U2net oferece aos candidatos dois modelos de página pessoal. Na versão Político v1.0 o candidato pode publicar fotos, plataformas de governo, biografia e notícias de campanha. O pacote sai a R$ 990. Os mais exigentes também têm a opção do Político v2.0. Por R$ 1.380 o candidato leva a mais uma ferramenta que atualiza automaticamente o Twitter e o Facebook.

Mais conteúdo sobre:
eleição sites candidatos fast-food

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.