Candidatos aproveitam considerações finais para alfinetar candidatos

Eles também agradeceram aos telespectadores e falaram de realizações e de formação

Beatriz Bulla, da Agência Estado,

18 de setembro de 2012 | 00h40

No último bloco do debate Estadão/TV Cultura/YouTube com os candidatos que disputam a Prefeitura de São Paulo, os candidatos agradeceram aos telespectadores e aproveitaram para trocar críticas veladas e indiretas aos adversários.

O tucano José Serra disse que "sempre teve ficha limpa, passado limpo" e que "não propõe projetos mirabolantes, enganações". Em outras ocasiões, Serra já criticou a proposta de bilhete único mensal do petista Fernando Haddad e classificou a ideia como "jogada eleitoral".

Haddad também usou as considerações finais para falar sobre seu currículo como professor universitário e atuação na administração pública. Para finalizar, o petista afirmou que "alguns candidatos que se apresentam como candidato da mudança" apoiam a atual gestão - numa referência a José Serra, que é apoiado pelo prefeito Gilberto Kassab e, ao longo do debate, disse que desejava "ser o prefeito da mudança". "E outros (candidatos) pensam que basta ser o fiscal da cidade, mas não basta", completou Haddad.

Carlos Giannazi (PSOL) disse que a cidade vive uma crise e, sem citar nomes, alfinetou o petista e o tucano: "Quem nos colocou nessa crise não vai ter a capacidade de nos tirar dela. Os partidos aqui são cúmplices porque governaram ou governam a cidade de São Paulo de uma forma indireta ou direta".

Já Paulinho da Força (PDT) voltou a criticar Russomanno, dessa vez de forma velada, ao dizer que há candidato que não vota de acordo com que diz e que não responde a "essas" perguntas. Paulinho se referia ao primeiro bloco do debate, quando afirmou que Russomanno votava contra o interesse do povo no Congresso Nacional. Na réplica, o candidato do PRB se limitou a dizer que Paulinho estava "muito mal informado" sobre as votações.

O líder nas pesquisas de intenção de voto, Celso Russomanno (PRB), agradeceu o apoio que vem recebendo do eleitorado nesta campanha municipal. Gabriel Chalita (PMDB) disse que a cidade precisa de "menos discurso e mais ação" e mencionou Deus em seus agradecimentos.

Levy Fidelix (PRTB) também agradeceu aos telespectadores e Soninha Francine (PPS) se colocou à disposição dos eleitores para responder questões do debate que não foram a ela dirigidas.

Tudo o que sabemos sobre:
debate-sp

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.