Candidatos ao TCU serão sabatinados na Câmara

Escolhido ocupará a vaga deixada pelo ex-deputado tucano Ubiratan Aguiar, aposentado em julho

Christiane Samarco, de O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2011 | 13h48

BRASÍLIA - Os seis candidatos à vaga de ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) serão sabatinados na tarde desta terça-feria, 20, na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara. Todos eles terão direito a uma exposição de dez minutos, durante a qual deverão demonstrar conhecimento sobre as atividades do tribunal e falar das suas pretensões, caso venham a assumir o posto. O escolhido ocupará a vaga deixada pelo ex-deputado tucano Ubiratan Aguiar, que se aposentou em julho.

 

A ordem da sabatina, entre os candidatos indicados pelos partidos, foi definida por sorteio. Quem abrirá a sessão será Rosendo Severo, o auditor do tribunal apadrinhado pelo PSOL e PPS. Em seguida falará a líder do PSB, deputada Ana Arraes (PE), que ao longo da campanha contou com padrinhos poderosos como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o filho, governador de Pernambuco, Eduardo Campos. O terceiro a se apresentar será o deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), que tem votos em vários partidos, por conta de sua passagem pela presidência da Câmara, e simpatizantes na bancada ruralista, conquistados na relatoria do Código Florestal.

 

Também apontado como forte candidato na disputa, o deputado peemedebista Átila Lins (AM) será o quarto a falar. Ele conta com o trunfo de ser um auditor de carreira, portanto um candidato de perfil técnico que pode representar a Câmara. Em seguida virão os dois candidatos de partidos menores. Damião Feliciano (PDT-PB) será o quinto a realizar a apresentação. Por fim, falará o deputado Milton Monti (PR-SP).

 

Depois das apresentações, os deputados presentes terão o direito de inquirir os candidatos. A eleição está marcada para a manhã quarta-feira, 21, no plenário da Câmara, quando o novo ministro será eleito por voto secreto. Não haverá segundo turno, portanto quem tiver o maior número de votos entre os 513 deputados será eleito. A previsão é que quem chegar perto de 150 votos levará o cargo de ministro do TCU.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.