Candidatos à prefeitura chegam ao debate

Estadão/TV Cultura/YouTube promovem nesta segunda-feira um debate entre os 8 principais candidatos

17 de setembro de 2012 | 20h32

Os oito candidatos à Prefeitura de São Paulo que participam, na noite desta segunda-feira (17), do debate promovido pelo Estadão/TV Cultura/YouTube, já chegaram ao teatro Franco Zampari, onde é realizado o evento. Na chegada, o líder nas mais recentes pesquisas de intenção de voto, Celso Russomanno (PRB), disse que não vai "baixar o nível" da campanha e que vai ignorar os ataques: "Vou responder com toda educação." Russomanno, que foi o último candidato a chegar para o debate, também evitou entrar em polêmica envolvendo o tema das igrejas. "Aqui no Brasil não existe guerra santa", destacou.

Na briga pela segunda colocação, pois de acordo com as últimas pesquisas de intenção de voto, os dois estão tecnicamente empatados, Fernando Haddad (PT) afirmou que está preparado para responder qualquer pergunta e que espera apresentar sua proposta de governo para a cidade de São Paulo na noite de hoje. "Vim preparado para discutir qualquer tema", disse o petista, esquivando-se, contudo, de falar sobre o julgamento do mensalão com os repórteres. Na chegada, o candidato do PSDB, José Serra, disse esperar que o debate desta noite esteja centrado em propostas para a cidade de São Paulo.

O candidato do PMDB, Gabriel Chalita, elogiou o modelo do debate que, no seu entender, permite a participação dos eleitores: "Acho ótimo fazer com que as pessoas possam acessar e refletir sobre as eleições de diversas maneiras." Ele disse acreditar que o evento vai permitir que os eleitores vejam os políticos "sem padrinhos, sem a estrutura do programa eleitoral, como é o candidato mesmo". Já a candidata do PPS, Soninha Francine, disse que vai ficar "à vontade" com as perguntas dos internautas, destacando que "há anos" responde perguntas dos eleitores pela web. Sobre o debate, Soninha disse acreditar que a discussão deverá ser "mais sobre postura política e sobre alianças" do que sobre propostas para a cidade de São Paulo.

O candidato do PDT, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, voltou a afirmar que suas propostas têm sido "pirateadas" pelos adversários. E disse que sua principal proposta para este debate é "levar o emprego para perto da casa das pessoas" através de incentivos fiscais e parcerias com a iniciativa privada. Carlos Giannazi (PSOL) disse que pretende "apresentar propostas para viabilizar a qualidade de vida na cidade de São Paulo". Segundo o candidato do PSOL, o principal objetivo do debate deve ser "esclarecer a população", porém, não descartou manter uma postura crítica, trazendo à discussão temas como o mensalão.

O candidato do PRTB, Levy Fidelix, foi o primeiro a chegar ao Teatro Franco Zampari, onde é realizado o debate. Ele afirmou que sua expectativa é que as "propostas e ideias possam realmente prevalecer" no debate Estadão/TV Cultura/YouTube. Fidelix disse que deve manter a estratégia de focar no tema dos transportes, que considera ser sua especialidade.

Kassab

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), chegou por volta das 20h30 ao local do debate e comentou a situação dos candidatos à Prefeitura: "São Paulo é uma cidade muito rica, mas cheia de contrastes." Ele destacou os "avanços" de sua gestão e disse que, para os candidatos, o mais importante é apresentar "propostas para o futuro". Questionado sobre o que pretende fazer após deixar o cargo de prefeito, Kassab disse que quer "continuar na vida pública", mas descartou fazer previsões: "Vamos aguardar o final do mandato."

Alckmin

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) também está presente no teatro Franco Zampari, onde é realizado o debate promovido pelo Estadão/TV Cultura/YouTube,. Na entrada, Alckmin afirmou que o debate "é um ponto alto da eleição". Na avaliação do governador, o debate permite comparações de propostas, posturas e é não é produzido (pelos marqueteiros), é mais espontâneo.

Tudo o que sabemos sobre:
debate-sp

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.