Candidatos à Câmara apostam em segundo turno

Na reta final de campanha, os candidatos à presidência da Câmara contabilizam votos e armam suas estratégias para os últimos dias. O presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PC do B-SP), e Gustavo Fruet (PSDB-PR) acreditam que a disputa será decidida em segundo turno. Aliados do petista Arlindo Chinaglia (SP) consideram que o candidato reuniu votos suficientes para vencer já no primeiro turno. A eleição será no dia 1º de fevereiro.Na quinta-feira, em reunião com colaboradores de sua campanha, Aldo avaliou que será beneficiado com votos de deputados do PMDB que não aceitam o apoio do partido a Chinaglia. Para Aldo, a disputa caminha para um segundo turno entre ele e o petista e, neste caso, serão decisivos os votos do PSDB, que apóia o candidato da terceira via, Gustavo Fruet. Na avaliação do presidente, o PSDB será o "elemento de desequilíbrio" no segundo turno.Aldo conta com as divergências regionais entre peemedebistas e petistas para ganhar votos da bancada do PMDB, a maior da Câmara, com 90 deputados. O presidente considerou muito otimista o cálculo dos petistas de que Chinaglia terá 60 votos no PMDB. Na última quinta, ele apostava que a bancada ficará praticamente dividida ao meio. Nas conversas com os deputados para pedir votos, o presidente insiste na tese do risco da concentração de poderes nas mãos do PT, que já tem a presidência da República.No caso de haver um segundo turno, Aldo acredita que será vitorioso o candidato que conseguir atrair os tucanos. A divisão do PSDB ficou clara antes do lançamento de Fruet, quando parte da bancada rebelou-se contra o apoio ao petista. Fruet decidiu intensificar o corpo-a-corpo com os deputados na busca de votos nesta última semana. Ele se reuniu na última quinta com a bancada do PPS para agradecer o apoio do partido à sua candidatura.Demonstrando animação, Fruet disse que o apoio do PSDB e do PPS é um indicativo de que ele chegará ao segundo turno da disputa pelo cargo. Fruet vai procurar os deputados do PDT, última bancada entre os partidos grandes e médios que ainda não definiu posição na sucessão da Câmara."Há uma relação muito próxima da direção do PDT com o governo, mas, respeitando essa tendência, vou procurar os deputados", disse Fruet, que conversará com o presidente do PDT, Carlos Lupi, na viagem que fará nesta sexta-feira ao Rio de Janeiro. O PDT vai reunir a bancada e a Executiva do partido na próxima terça-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.