Candidato tenta temperar ''chuchu'' com ironia e humor

O começo foi promissor: nem bem a sabatina havia esquentado e Geraldo Alckmin tirou lá do fundo uma frase do dramaturgo Bernard Shaw: "O estado permanente de bom humor é uma das melhores coisas da vida." Era um aviso à praça de que o chuchu poderia ter alguns ataques de pimenta.E a primeira canelada, quem diria, foi no amigo Fernando Henrique. "Essa coisa de escolher secretário antes da hora dá um azar danado. Não vou sentar na cadeira", disse ele, numa referência à foto de FHC na cadeira de prefeito - que ficou para Jânio Quadros. O seguinte foi para o jornalista que queria saber por que tantos vereadores tucanos apóiam Gilberto Kassab. "Faça outro debate e pergunte para eles", sugeriu.Em meio a ingratas discussões sobre a calha do Tietê ou a falta de creches, conseguiu fazer graça com o futebol e as mulheres. Lembrou que Laudo Natel lhe pediu certa vez que desse o nome Morumbi-São Paulo a uma estação do metrô. Aí entrou em cena o torcedor santista: "Eu disse que tudo bem. Já existia a Itaquera-Corinthians. Mas antes íamos ter de chegar à Vila Belmiro." Depois, falando do aumento da expectativa de vida no século 21, disse nos olhos da repórter: "No futuro, nós homens chegaremos aos 80 e as mulheres não morrerão nunca." Chuchu com adrenalina, ao vivo na TV Estadão! Mas durou pouco. Já no final, diante da idéia de morar no centro se for eleito, confessou como são as coisas em casa: "Estou estudando um local. Preciso convencer a minha mulher." REPERCUSSÃO NA PLATÉIAValéria ScheideJORNALISTA "O debate foi excelente. Uma grande oportunidade para conhecer o pensamento do candidato, com a vantagem de ele falar durante duas horas."Mário BarrosAPOSENTADO "O candidato apresentou boas propostas. Agora, vamos ver se ele consegue, caso seja eleito, cumprir realmente ou ficaremos na promessa."Vanessa VieiraASSESSORA JURÍDICA "Deu para esclarecer bem as propostas do candidato. É uma oportunidade para conhecer melhor as pessoas que podem vir a dirigir a cidade."Chundi KawanamiPROFESSOR APOSENTADO "O ponto mais importante foi a educação, pela carência na periferia de São Paulo. O poder público não consegue nos atingir na totalidade."Priscila VilelaESTUDANTE"Alckmin foi mais genérico do que Marta (Suplicy). Ele falou de várias soluções que viu em outros países e quase nada de São Paulo."Eduardo MarquesFUNCIONÁRIO PÚBLICO "Muito bom e esclarecedor o debate. É importante que seja sempre muito bem divulgado para que mais pessoas possam participar e questionar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.