Candidato do PV tenta atrair evangélicos

Gabeira encontra religiosos na zona oeste e Paes fala a estudantes

Wilson Tosta e Luciana Nunes Leal, O Estadao de S.Paulo

23 de outubro de 2008 | 00h00

Mãos postas, olhos fechados e ar contrito, o candidato à Prefeitura do Rio, deputado Fernando Gabeira (PV), ouviu ontem na zona oeste da capital fluminense uma oração de evangélicos, proferida pelo reverendo inglês Martin Scott, que comparou sua trajetória à do personagem bíblico Moisés. Antes, no encontro organizado pelo bispo Hermes Fernandes, da Reina Igreja do Futuro, Gabeira prometeu um governo sem perseguições religiosas, sem corrupção e sem indicações políticas para cargos públicos. Também destacou o que considera pontos em comum que teria com os evangélicos - trabalho pelo bem público, desapego a bens materiais, compaixão - e lembrou que, em 50 anos de vida pública, nunca o acusaram de irregularidades."Então, peço humildemente aos senhores que façam por mim e pelo nosso projeto uma oração, para podermos realmente avançar no nosso caminho", disse Gabeira. O deputado já foi alvo de críticas de evangélicos por suas posições do passado pela descriminalização da maconha e pela legalização da prostituição. O senador Marcelo Crivella (PRB), evangélico e candidato no primeiro turno, apóia Eduardo Paes (PMDB).O peemedebista disse ontem a um grupo de estudantes universitários que "evoluiu" e por isso deixou de ser aliado do prefeito Cesar Maia, do DEM, e do ex-prefeito e ex-governador Marcello Alencar, do PSDB, partidos aos quais já foi filiado e que hoje apóiam Gabeira. "Já estive do lado de lá. Trabalhei com Cesar Maia, estive com Marcello Alencar. Mas fico feliz em saber que a gente evolui. Ele (Maia) está do lado de lá e nós estamos do lado de cá", discursou Paes para os alunos da Universidade Castelo Branco, em Realengo, zona oeste.À noite, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, gravou participação no programa eleitoral de Paes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.